Cantor baiano Xauim estreia carreira musical com lançamento na sexta (21)

variedades
18.08.2020, 15:47:00
Atualizado: 18.08.2020, 16:00:01
(Divulgação)

Cantor baiano Xauim estreia carreira musical com lançamento na sexta (21)

Clipe, que será lançado junto com single, foi dirigido pelo próprio artista

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O cantor baiano Xauim lança nesta sexta-feira (21) seu primeiro single, Pra Quem Quiser Ouvir, acompanhado do clipe. A música ficará disponível em todas as plataformas digitais e abre o projeto do artista, que contará com mais singles até o final do ano.

A música é um afro groove com elementos do samba de roda do Recôncavo. A produção musical ficou a cargo de Atilla Santana e a percussão foi feita por Ícaro Sá. A canção foi composta em Saubara, no Recôncavo baiano, onde o fotógrafo e videomaker Matheus Leite, o homem por trás de Xauim, vive há mais de quatro meses, por conta da pandemia de covid-19. 

O clipe foi produzido e dirigido pelo próprio cantor, na roça do avô materno, com ajuda de um primo. Gustavo Korontai compartilha os créditos pela edição.

Xauim destaca os elementos de religiosidade presentes na música. "E quando falo em religiosidade, é a forma de ver e lidar com a existência, corpo, vida, tempo e tudo mais”, diz. “Por mais que eu não tenha vivência em religião, tenho a consciência que essa religiosidade me atravessa no pensamento, cultura e quem sabe no plano espiritual”, acrescenta.

A faixa abre com uma frase do jornalista e sociólogo Muniz Sodré. “De repente ontem é hoje, e hoje é o que experimentamos ontem”, diz a voz logo de cara. A entrevista em que Sodré tenta descrever um aforismo de Exu foi uma das inspirações para Pra Quem Quiser Ouvir.

Nome artístico
Matheus explica como escolheu o nome Xaium para sua incursão no mundo da música. O termo significa sagui em tupi. “No processo de escolher um nome artístico, resolvi olhar para trás e recuperei uma composição antiga e muito importante pra mim em que eu falava de um xauim. Fiquei com a sensação de que eu já poderia ter passado e até cantado o meu nome, mesmo sem saber, e acabei encontrando isso”, conta. 

Outras razões por trás da escolha incluem a postura desconfiada e observadora do animal, que circula entre o mundo do asfalto e matas.

(Foto: Divulgação)

Morador do Bonfim, na Cidade Baixa, ele já compõe música há 12 anos. Desde 2012, sente vontade de investir em algo mais autoral. Ele cita o pai, que compunha, como uma influência.“Fazíamos algumas coisas juntos, especialmente paródias nos trabalhos de escola, mas aos 17 anos comecei a compor coisas mais pessoais e fiz disso uma espécie de diário. Achava uma maneira interessante de congelar e de fotografar um discernimento, um olhar sobre algo ou sobre algum sentimento meu”, conta.

Enquanto cultivava seu conhecimento na área de música, encontrou também um caminho profissional com a fotografia. “Ainda que trabalhasse como artista visual, as minhas referências para vídeo eram musicais. Gil, Belchior, Dorival Caymmi, Os Tincoãs são exemplos e referências de artistas que pintam cenas com música, e posso dizer que além da música são fortes referências na minha fotografia”, diz. Entre as referências e inspirações mais contemporâneas para seu trabalho, Xauim cita Nação Zumbi, Luedji, Chico César, Femi Kuti, Ramiro Musotto e BaianaSystem.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas