Cão enterrado vivo é salvo após cadela chamar ajuda em SC; veja vídeo

em alta
03.03.2020, 00:12:00
Atualizado: 03.03.2020, 17:25:46

Cão enterrado vivo é salvo após cadela chamar ajuda em SC; veja vídeo

Animal se urinou de emoção após ser resgatado de buraco

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Reprodução

Um cachorro foi salvo da morte após ser ajudado por uma cadelinha na cidade de Balneário Rincão, no Sul de Santa Catarina, no último sábado (29). De acordo com o site NSC Total, o doguinho foi enterrado vivo na areia, e ficou somente com parte da cabeça para o lado de fora. 

Quem sinalizou onde ele estava foi a cadela, que conseguiu alertar voluntários sobre a localização do coleguinha. Os humanos conseguiram abrir o buraco e retirar o animal, que chegou a se urinar de emoção após o resgate.

Nesta segunda-feira (2), integrantes da Organização Protetora dos Animais (OPA) da cidade registraram um boletim de ocorrência sobre o caso.

Um vídeo divulgado por um dos membros da organização mostra o cão preto com caramelo, de porte médio, que ainda não tem nome, ainda tremendo de medo após ser retirado do buraco.

Câncer
Após ter sido resgatado, o cachorro foi encaminhado para um hospital veterinário. Ele passou o sábado e o domingo na sede da Organização Protetora dos Animais (OPA) e, na segunda, foi internado. Além de uma leve desidratação, o cão vai tratar um  tumor venéreo transmissível (TVT).

O médico veterinário Arthur Petroli, responsável pelo caso, disse ao Diário Catarinense que o cão também tem sequelas neurológicas leves causadas pela cinomose, doença grave e muitas vezes fatal. No momento, o foco é cuidar do TVT, que está em grau avançado. O câncer será tratado com sessões de quimioterapia nos próximos dois meses.

Adoção
O animal foi encaminhado para o canil da organização e iria para adoção, mas segundo a presidente da OPA, Mila Duarte, ele está sob os cuidados de veterinários voluntários e deve se tornar o mascote da organização.

“Um dos voluntários ouviu o gemido, viu a cachorrinha cavando, tentando salvar o amigo. Uma outra voluntária ajudou a tirar o cão, que tinha sido enterrado vivo”, contou Mila ao NSC Total.

O homem que encontrou o animal está na fila para dar a ele um novo lar, mas a presidente da OPA diz que ele deve se tornar o mascote da organização. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas