Capitães da República dos Vagabundos

artigo
04.06.2020, 05:00:00

Capitães da República dos Vagabundos


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Na Rússia, Jorge Amado sempre foi e continua sendo o escritor brasileiro número um. E mais do que isso: para nós, russos, ele é o próprio Brasil.

A adaptação de Capitães da Areia filmada pelo diretor norte-americano intitulado, em russo, Generais da Areia, se tornou um cult. Só durante um ano o filme foi assistido por 34 milhões dos espectadores. No ano seguinte, o jornal juvenil mais popular Komsomolskaia Pravda destacou Generais como o melhor filme estrangeiro. 

Infelizmente, Generais da Areia foi proibido no Brasil na época da ditadura militar e os brasileiros não podem compreender a razão desta popularidade. A origem do sucesso do filme foi o contraste entre os destinos dos personagens do filme e os dos jovens soviéticos. O filme teve um efeito de bomba: os personagens, jovens e crianças da nossa idade, viviam em condições tão desumanas que sequer podíamos imaginar!

As almas dos espectadores ficavam transbordadas não apenas de cólera por causa da injustiça social, mas também de admiração. Estes adolescentes abandonados, a despeito de horríveis condições de vida, puderam encarnar as melhores qualidades humanas: nobreza e coragem, fidelidade aos amigos e capacidade de amar. A intolerância dos poderosos e a humilhação permanente não foram capazes de alquebrá-los. Se recusam a ser vítimas, lutaram pela liberdade, pelo direito de serem homens, de viver e de amar.

Para nós, a luta dos personagens foi uma parte da luta do povo brasileiro contra ditadura. Solidarizávamos-nos com essa luta. Eu mesma, quando estudante universitária, organizei um comitê de ajuda para as crianças abandonadas do Brasil. Minha história começou porque não havia tradução para o russo de Capitães da Areia. Prometi a mim mesma que traduziria o livro. A tradução foi publicada em 2000.   
E gostaria de anunciar uma pequena descoberta filológica. Em 1987, na entrevista publicada no diário soviético Izvestia, Amado informou que na sua juventude ele gostou muito do livro República Schkid, de Belyk e Panteleev, e o traduziu para o português. Fiquei muito intrigada com a informação e questionei: se ele traduziu, então, de qual língua e qual foi o destino da tradução?

Consegui achar a informação apenas em 2010, durante a minha viagem ao Brasil. Na Biblioteca Nacional encontrei o livro: Belyk e L. Panteleev, A República dos Vagabundos, tradução de Jorge Amado. O livro foi publicado em 1947 pela Editora Martins.Se Jorge traduziu Doña Bárbara, de Rómulo Gallegos, ele também poderia traduzir A República dos Vagabundos do espanhol. Faltava apenas descobrir se existia uma tradução em espanhol deste livro nos anos 30. 

A Internet respondeu a esta pergunta. A editora Cenit de Madrid publicou o livro de Belyk e L. Panteleev em 1930 com o título Schkid: La república de los vagabundos. Então, um jovem escritor brasileiro, inspirado pela obra de autores soviéticos, escreveu seu livro sobre crianças de rua do Brasil; o diretor norte-americano ficou tão impressionado com este livro que filmou a adaptação que enlouqueceu toda a União Soviética e a menina russa se apaixonou pelo filme e traduziu o livro de Amado para o russo que se tornou um dos mais populares entre os  leitores russos. O círculo se fechou.


Elena Beliakova é escritora, tradutora e pesquisadora da obra de Jorge Amado

Opiniões e conceitos expressos nos artigos são de responsabilidade dos autores

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/moradores-da-lapinha-falam-ao-contrario-e-tem-um-dialeto-o-gualin/
Há meio século, falar ao contrário é considerado sinal de pertença para os moradores “raiz” do bairro da Lapinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/elza-soares-aos-90-e-cheia-de-projetos/
Cantora lança releitura de 'Juízo Final' e faz live neste sábado (4), com participação de Flávio Renegado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cheias-de-bossa-bebel-gilberto-lanca-parceria-com-martnalia/
Confira também o clipe Hipnose, de Larissa Luz, e a canção Caxixi, de Mariene de Castro
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/veja-o-video-filha-interrompe-entrevista-por-videochamada-e-vira-sensacao-nas-redes/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bia-doria-e-val-marchiori-geram-revolta-ao-falar-de-sem-teto-gostam-de-ficar-na-rua/
Socialite e primeira-dama do estado de SP disseram que pessoas não vão para abrigos pois 'não querem responsabilidades'
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/leonardo-villar-protagonista-de-o-pagador-de-promessas-morre-aos-96-anos/
Ele eternizou o personagem Zé do Burro em filme premiado que se passa na Bahia
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ciclone-bomba-onda-derruba-portao-e-invade-garagem-de-predio-em-sp-assista/
Ressaca atingiu praias na Baixada Santista e deixou rastro de destruição
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mestre-lourimbau-e-localizado-e-esta-internado-em-hospital-no-pau-miudo/
Parentes e artistas fizeram campanha para encontrar berimbalista de 72 anos
Ler Mais