Carro destrói barraca na Waldemar Falcão: 'Tristeza profunda', diz vendedor

bahia
20.04.2021, 13:19:00
Atualizado: 20.04.2021, 13:20:04
(Foto: Paula Fróes / CORREIO)

Carro destrói barraca na Waldemar Falcão: 'Tristeza profunda', diz vendedor

Motorista irá custear todos os prejuízos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um carro bateu numa barraca por volta das 5h da manhã desta terça-feira (20) na rua Waldemar Falcão, em Brotas. Com o impacto, a venda ficou destruída. 

A barraca pertencia a Edmilson Lima, de 48 anos, que trabalha no ponto há quase 30 anos. O autônomo foi acordado por vizinhos e pelo motorista envolvido no acidente e só chegou ao local cerca de uma hora após a batida.

"Quando vi a cena senti uma sensação de impotência. Nessa hora a gente sente uma tristeza profunda, no meu coração. É o meu trabalho, estou ali há quase 30 anos. É dali que tiro meu sustento, ganho meu dinheirinho, pago minhas contas, com toda a dificuldade. Ali é meu ganha pão", lamenta o barraqueiro.

Apesar da tristeza, Edmilson ficou feliz ao ver que o motorista, o professor de educação física Tarsis Oliveira Fonseca, 34, não tinha se ferido. Tarsis se colocou a disposição para arcar com todos os prejuízos causados pela batida. 

"Percebi de cara que era uma pessoa legal, sensata e compreensiva. Em momento nenhum ele quis fugir, argumentar. Demonstrou o tempo todo preocupação, se colocando em meu lugar. Ele foi muito homem de ter ficado e assumido tudo", exalta, Edmilson. 

Como resultado do acidente, uma viga da barraca entrou no carro e quase atingiu o condutor. Tarsis, no entanto, não se feriu. Foi o próprio professor que ligou para Transalvador informando o acidente e também procurou pelo dono da venda através de vizinhos.

"Eu me coloquei no lugar de filho. Era o ganha pão do cara. Quem que quer passar por algo assim?", questiona o motorista, que diz não se lembrar muito bem de como foi o acidente.

"Eu saí de manhã para andar de bicicleta e no caminho, perdi a direção do carro. Não sei se cochilei ou tive uma queda de pressão, pois saí sem me alimentar. Foi tudo muito rápido. Quando virei a curva da Waldemar Falcão dei de frente com a barraca", lembra, Tarsis.

Uma nova barraca já foi encomendada e será 100% custeada pelo professor. Ainda não se sabe quanto tempo ela levará para ficar pronta.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas