Casa de suspeito de matar criança é incendiada em Feira de Santana

bahia
24.10.2020, 14:54:00
Atualizado: 24.10.2020, 15:17:07

Casa de suspeito de matar criança é incendiada em Feira de Santana

Adriano Silva foi encontrado morto um dia após o crime, com o celular da vítima

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A casa de Adriano Sales da Silva, 20 anos, principal suspeito de ter matado Kaíque Soares Queiroz, 11 anos, com golpes de foice, em Feira de Santana, foi incendiada nesta sexta-feira (23). O assassinato do menino aconteceu na quarta-feira, e no dia seguinte Adriano foi encontrado morto no bairro de Pernambués, em Salvador.

Adriano foi morto em Salvador (Foto: reprodução)

Segundo a TV Bahia, o imóvel foi incendiado por um grupo de pessoas e não havia ninguém no imóvel quando as chamas começaram. A casa em que Adriano morava com a família fica no distrito de Maria Quitéria, na localidade de Água Grande. O fogo foi tão intenso que o teto desabou. Ninguém ficou ferido.

Segundo a polícia, o assassinato de Kaíque ocorreu durante um assalto. Pouco antes de ser morto, o menino saiu de casa para procurar algumas cabras que pertenciam a familiares dele, levando um aparelho celular e uma certeira nas mãos. Ele foi encontrado morto horas depois. O criminoso conseguiu levar o celular e a carteira da criança com cerca de R$ 300.

Assassinato do menino comoveu a população (Foto: reprodução)

No dia do crime, a Polícia Civil contou que o principal suspeito tinha 20 anos e morava em um imóvel vizinho ao da vítima. O homem era Adriano. Ele saiu de casa no mesmo horário em que o garoto foi procurar os animais, supostamente para capinar um terreno. O corpo de Kaíque foi encontrado horas depois, e Adriano desapareceu. 

No dia seguinte, ele foi baleado e morto na Travessa Rússia, no bairro de Pernambués, em Salvador. O autor do disparo não foi localizado. A polícia contou que chegou até Adriano depois de rastrear o sinal do celular que foi roubado de Kaíque. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas