Casos de dengue crescem 322% na Bahia em 2019; seis mortes foram registradas

bahia
17.04.2019, 07:23:00
Atualizado: 17.04.2019, 10:54:00

Casos de dengue crescem 322% na Bahia em 2019; seis mortes foram registradas

Foram 5.871 casos notificados em 158 municípios do estado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Os casos de dengue na Bahia aumentaram 322% neste ano em comparação com o mesmo período de 2018. Foram 5.871 casos notificados em 158 municípios do estado. No período de 30 de dezembro a 12 de março, foram seis óbitos por dengue, sendo cinco confirmados e um em investigação laboratorial.

O município com a pior situação é Feira de Santana, a segunda maior cidade do estado, que teve 2.264 casos prováveis de dengue no período, quase 40% de todas as notificações da Bahia, de acordo com dados da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Feira também concentra a maior parte das mortes: foram quatro na cidade, uma em Salvador e uma em Candeias.

Luís Eduardo Magalhães ficou em segundo lugar, com 310 casos, seguido de Paramirim com 244, Macaúbas com 206 e Riacho de Santana com 172 notificações.

Apesar de não serem os municípios com maior número de casos, algumas cidades são campeãs na incidência de dengue no estado. O índice leva em consideração o total da população. Se a incidência for maior que 100 casos para 100 mil habitantes, há estado de alerta.

O município campeão no coeficiente de incidência é Ipupiara, seguida de Wagner, Tanquinho, Paramirim, Palmeiras, Serrolândia, Lençóis, Caturama, Riacho de Santana e Santa Bárbara.

A Secretaria Municipal de Saúde de Salvador (SMS) registrou 508 casos de janeiro a abril deste ano. O número é menor do que o mesmo período do ano passado, quando o registro foi de 580. Houve uma redução de 12,4% nos casos, de acordo com dados da pasta.

Tempo favorável
Em nota, a Sesab afirmou que o aumento de número de casos no estado se deve ao período de outubro a maio, que é mais propício para a proliferação do vetor da dengue. A pasta ainda destacou que "entre três e cinco anos ocorre um surto de dengue".

Para combater o crescimento das arboviroses, a Sesab distribuiu 7,4 kits com 26 itens para combater o mosquito. Cada kit é composto de pesca larva, pipetas de vidro, tubos de ensaio, álcool, esponja, lanterna de led recarregável, bacia plástica, dentre outros materiais. Ao todo, foram investidos R$ 2,6 milhões na ação.

Um alerta ainda foi emitido pela pasta em janeiro de 2019 para os municípios do estado sobre o alto índice da doença.

"A Sesab solicitou que os municípios realizassem mutirões de limpeza, com atividades de vistoria e remoções de focos do vetor nas residências, juntamente com caminhadas de conscientização e distribuição de materiais informativos. A Sesab também distribuiu repelentes para as gestantes dos municípios com maior incidência do mosquito", disse a pasta, em nota.

Arboviroses
Outras doenças como chikungunya e zika reduziram o número de notificações no estado. Neste ano, foram 277 casos de chikungunya em 48 municípios e 168 de zika em 39 cidades. Houve redução em 2% nas notificações de chikungunya e 50% nas de zika, de acordo com a Sesab.

Em Salvador, no entanto, o número de casos de Chikungunya aumentou de 31 casos em 2018 para 119 em 2019. A zika reduziu de 36 para 28.

Dicas básicas para manter o mosquito afastado:
1. Deixe tudo tampado (ventos tiram as tampas das caixas d'águas do lugar).
2. Lembre-se de colocar areia nos vasos.
3. Verifique o quintal e tenha atenção com o lixo.
4. Retire a água dos pneus velhos.
5. Deixe latas e garrafas bem guardadas.
6. Cuide das piscinas e caixas d’águas.
7. Utilize telas de proteção.
8. Coloque desinfetante nos ralos.
9. Atenção com potes de água dos animais e aquários.
10. Use repelentes e inseticidas.

Principais sintomas e complicações de cada doença
Dengue
Das três arboviroses, ela é a mais conhecida e antiga no Brasil. Os sintomas são febre alta, que geralmente dura de 2 a 7 dias, dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele. Nos casos graves, o doente também pode ter sangramentos no nariz e gengivas, dor abdominal, vômitos persistentes, sonolência, irritabilidade, hipotensão e tontura. Ao surgirem os sintomas, o paciente deve procurar atendimento médico. Geralmente, as recomendações são ficar de repouso e ingerir bastante líquido. 

Chikungunya 
De acordo com o Ministério da Saúde, os primeiros casos da doença no Brasil apareceram em setembro de 2014 em Oiapoque, no Amapá. O principal sintoma é a dor nas articulações de pés e mãos, que é mais intensa do que nos quadros de dengue. Além disso, causa também febre repentina acima de 39 graus, dor de cabeça, dor nos músculos e manchas vermelhas na pele. Segundo o MS, as mortes são raras e cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas. Para tratar é preciso ficar de repouso e consumir bastante líquido. Não é recomendado usar o ácido acetil salicílico (AAS) devido ao risco de hemorragia.

Zika 
Pacientes com essa doença apresentam febre mais baixa que a da dengue e chikungunya, olhos avermelhados e coceira característica. Normalmente a zika não causa morte, e os sintomas não duram mais que sete dias, mas vale ressaltar que ela relaciona-se com uma síndrome neurológica que causa paralisia, a Síndrome de Guillain-Barré, e também com casos de microcefalia. O paciente infectado pelo zika também pode apresentar diarreia e sinais de conjuntivite. Assim como nas outras viroses, o tratamento consiste em repouso, ingestão de líquidos e remédios que aliviam os sintomas e que não contenham AAS.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/patroa-ajudou-crianca-que-caiu-de-predio-a-entrar-no-elevador/
Miguel, de 5 anos, morreu; petição que pede justiça tem mais de 77 mil assinaturas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/morre-aos-85-anos-atriz-maria-alice-vergueiro-do-meme-tapa-na-pantera/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/manifestantes-ateiam-fogo-em-onibus-na-paralela-veja-video/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rodamos-na-nova-versao-da-ranger-a-storm/
Em vídeo, jornalista automotivo analisa a cabine dupla diesel
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-de-81-anos-e-o-100o-paciente-com-covid-19-a-ter-alta-no-hospital-portugues/
Unidade comemorou liberação do homem, que deu entrada há seis dias com 50% do pulmão comprometido
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-um-susto-targino-se-prepara-para-cantar/
Músico sofreu grave acidente de carro, mas escapou ileso e agora se prepara para fazer lives
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sao-joao-sera-comemorado-com-maratona-de-lives-promovidas-pelo-correio/
Serão seis apresentações de bandas e cantores durante o projeto, que arrecadará doações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/junho-chegou-correio-promove-lives-para-comemorar-o-sao-joao/
Apresentações acontecem sempre às sextas e sábados de junho, às 19h
Ler Mais