Cenas de Carnaval: a irreverência do folião

salvador
23.01.2019, 05:00:00
(Evandro Veiga/Arquivo CORREIO)

Cenas de Carnaval: a irreverência do folião

O povo também é parte do espetáculo

Nem só de artistas, blocos e celebridades vive o Carnaval. Muito pelo contrário. Sem o povo, que vai, vem e, muitas vezes, fica nos circuitos, a festa seria como ouvir música em casa.

Uma parte curiosa - e deliciosa - da folia são aqueles que saem de casa munidos do sentimento de aparecer, de não só ver, mas também ser visto. 

Desde a invenção da Fobica, nos anos 50, por Dodô & Osmar, que o povo quer contribuir com a alegria do Carnaval e, dentro dessa vontade, cabe de tudo, como do folião da foto principal.

Para fugir da unidade do bloco Inter (como agora se chama o tradicionalíssimo Os Internacionais, fundado há mais de 50 anos), onde todos usam camisas iguais, o homem resolveu ser único. 

(Foto: Marina Silva/CORREIO)
(Foto: Claudionor Jr/CORREIO)
(Foto: Marina Silva/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Mauro Akin Nassor/CORREIO)
(Foto: Antônio Saturnino/CORREIO)
(Foto: Mauro Akin Nassor/CORREIO)


Penteado invocado, lupa brilhante, corrente (voando), meião de baba e um tênis ‘cheguei’. Tudo, claro, para chamar a atenção. O fotógrafo Evandro Veiga ainda registrou um pulo e o folião conseguiu o que queria: atenção. Todos na foto o observam. 

A câmera é estopim da vontade de ser visto: a bandeira do estado de onde o turista vem, a plaquinha com o ‘Mãe, tô na TV’, a dança, a fantasia exagerada, os apetrechos levados.

Mas se engana quem pensa que só a rua é palco para aparecer. Uma passada nos atuais camarotes e nos deparamos com camisas cavadas para mostrar músculos e shorts minúsculos, além dos saltos - aliás, quem inventou ir de salto para o Carnaval?

Aparecer, por sinal, é até uma contradição à história da festa, que remonta aos bailes de máscaras desde a Idade Antiga, mas bem apropriada ao tempo de selfies e instagrams.

Alguns, no entanto, preferem manter a característica original. A festa segue sendo o momento de se esconder, onde as normas de comportamento são suspensas, se levarmos em conta uma visão antropológica. De máscara, anônimo, vale abusar, gritar e dançar livremente. E sem medo de cliques.

Cenas de Carnaval é um oferecimento do Bradesco, com patrocínio do Hapvida e apoio de Claro, Fieb, Salvador Shopping, Vinci Airports e Unijorge. 


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/integrante-do-bbb19-vira-piada-no-fantastico/
Veja vídeo apresentado na edição deste domingo (17) do programa
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/lutador-rayron-gracie-filho-de-mulher-espancada-se-declara-a-mae/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mulher-e-agredida-durante-quatro-horas-em-primeiro-encontro/
Vinícius Serra foi preso em flagrante por tentativa de feminicídio
Ler Mais
Harley, a Cacatua brinca com sua dona, faz bastante barulho e adora derrubar coisas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/contra-as-musicas-com-baixaria-pede-rei-momo-do-carnaval-2019/
Renildo também fez alertas contra o trabalho infantil
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/persistencia-apos-oito-derrotas-secretaria-executiva-vira-deusa-do-ile-aiye/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/gaab-filho-de-rodriguinho-grava-dvd-na-praca-da-cruz-caida/
Com entrada gratuita, o evento contará com MC Livinho, Igor Kannário e mais
Ler Mais