Cenas de Carnaval: as crianças

salvador
06.02.2019, 05:00:00
(Marina Silva/ 6.2.2018/Arquivo Correio)

Cenas de Carnaval: as crianças

A folia começa desde cedo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Todo mundo é um pouco criança no Carnaval. É só lembrar das fantasias bem-humoradas, da alegria em pular, gritar e dançar, dos amigos inseparáveis com quem se sai junto. Se vacilar, até o fôlego é de gente pequena, afinal, são eles que aguentam uma ‘maratona’ de folia sem que o corpo reclame. No caso dos adultos, a conta costuma vir na Quarta-Feira de Cinzas.

Os carnavais voltados para as crianças tiveram seu grande auge nos clubes sociais, das décadas de 80 e 90, quando esses ofereciam uma alternativa para os pais de classe média para cima. 

Com a derrocada dos clubes, o espaço acabou sendo tomado pelos blocos infantis e pelos bailes em shoppings centers. O Pelourinho, com um fluxo menor de pessoas, também é uma boa alternativa para os pequenos.

Mas vamos combinar: não são só as crianças que se divertem. Para isso, é preciso ter o espírito aberto. Não adianta se incomodar com sol, espuma, pistola d’água ou pó colorido. 

(Marina Silva/Arquivo CORREIO)
(Marina Silva/Arquivo CORREIO)
(Marina Silva/Arquivo CORREIO)
(Betto Jr/Arquivo CORREIO)
(Antonio Saturnino/Arquivo CORREIO)
(Marina Silva/Arquivo CORREIO)
(Paulo M. Azevedo/Arquivo CORREIO)
(Marina Silva/Arquivo CORREIO)

Para quem é um tanto saudosista, o Carnaval infantil lembra as festas antigas de clubes. Tem serpentina e confete e fanfarra, principalmente nos shoppings. Nas ruas, artistas como Tio Paulinho se especializaram em fazer a festa para crianças. Carla Perez também conseguiu conquistar seu espaço com os pequenos.

No entanto, ainda há o outro lado infantil do Carnaval, o do trabalho. Centenas de crianças acompanham os pais ambulantes no circuito - e, às vezes, ainda ajudam catando latinhas -, dormindo em condições precárias e ficando suscetíveis a doenças e abusos. Não se pode colocar uma máscara e fantasiar que o problema não existe.
Que o Carnaval possa ser um momento de alegria para todas as crianças, sem distinção de situação social.

*Cenas de Carnaval é um oferecimento do Bradesco, com patrocínio do Hapvida e apoio de Claro, Fieb, Salvador Shopping, Vinci Airports e Unijorge

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas