Cenas de Carnaval: trabalhadores

salvador
01.03.2019, 05:00:00
(Arisson Marinho/9.3.2011/Arquivo CORREIO)

Cenas de Carnaval: trabalhadores

Enquanto uns pulam e dançam, outros sofrem

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os circuitos do Carnaval de Salvador não são feitos só das ruas principais, por onde os trios vão e vêm puxando multidões. São nas vielas e ruas adjuntas que o cenário do sonho de festa encontra a realidade da desigualdade social.

Se, para milhares de soteropolitanos e turistas, o Carnaval é sinônimo de alegria e esquecimento das rotinas diárias, para centenas de pessoas é a oportunidade de um ganha-pão. De conseguir pagar parte das dívidas e botar comida em casa.

Assim, levam barracas de camping, improvisam ‘lares’ com lonas e papelão para diminuir o custo de ir e voltar para suas moradias. Muitas vezes, com filhos das mais diversas idades. Se tornam ambulantes, cordeiros, carregadores de gelo. Quase sempre em condições precárias de trabalho e remuneração.

Ao menos, há algum tempo, existe uma fiscalização maior de órgãos públicos em relação a isso. São proibidas, por exemplo, as presenças de menores de idade e de gestantes como cordeiros. 

Ainda assim, a diária de R$ 51 para um cordeiro, por exemplo, não corresponde ao trabalho exercido durante o percurso, ainda tendo que aguentar, por muitas vezes, a falta de educação de foliões dos blocos. Alguns deles trabalham duas vezes no mesmo dia, para conseguir um dinheiro a mais e também o lanche, obrigatório para os contratantes.

De uma certa forma, o Carnaval escancara a desigualdade social para muitos que querem não encará-la. O cordeiro, responsável por separar quem pode e quem não pode, também ganha status de ‘broder’, ao impedir o contato entre as duas faces da folia. O ambulante é o fornecedor do combustível da festa.

Mas é sempre bom lembrar: enquanto os foliões se divertem, os trabalhadores estão lutando por suas vidas. Merecem, no mínimo, respeito.

*Cenas de Carnaval é um oferecimento do Bradesco, com patrocínio do Hapvida e apoio da Vinci Airports, Fieb, Salvador Shopping, Unijorge, Claro, Itaipava Arena Fonte Nova e Sebrae

Carnaval 2013
Carnaval 2013 (Marina Silva/Arquivo CORREIO)
Carnaval 2009
Carnaval 2009 (Evandro Veiga/Arquivo CORREIO)
Carnaval 2010
Carnaval 2010 (Robson Mendes/Arquivo CORREIO)
Carnaval 2017
Carnaval 2017 (Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas