Chapada: bombeiros monitoram área da Cachoeira do Mosquito após incêndio

bahia
31.10.2019, 12:28:00
Atualizado: 31.10.2019, 12:32:34
(Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Chapada: bombeiros monitoram área da Cachoeira do Mosquito após incêndio

Este ano, cerca de 20 municípios já foram acometidos de incêndios florestais de grande proporção na região Oeste e Chapada

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Equipes do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia (CBMBA), especialistas em combate a incêndios florestais permanecem atuando na Chapada Diamantina. Na Área de Proteção Ambiental (APA) Marimbus-Iraquara, na área da Cachoeira do Mosquito, perto de Lençois, os bombeiros estão em fase de monitoramento. O objetivo é avaliar principalmente, os possíveis pontos de reignição que podem ocorrer no incêndio subterrâneo, que evolui sem que se perceba fumaça ou fogo.

Uma equipe com quinze bombeiros militares especialistas em combate a incêndios florestais atuaram no ncêndio que atinge a Serra da Cravada, próximo à cachoeira do Mosquito, Lençóis. Na última semana, o CBMBA controlou rapidamente um incêndio de grande proporção na mesma Área de Preservação Ambiental (APA), num região diferente.

Em Abaíra, no Pico do Barbado, dentro da APA Serra do Barbado, os militares já estão realizando o rescaldo. Nesta quarta-feira (30), por conta do difícil acesso, aeronaves deixaram os militares e brigadistas nas áreas a serem combatidas.

Na cidade de Rio de Contas, os bombeiros militares permanecem no combate. Uma aeronave do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer-PM) está fazendo o transporte dos bombeiros  e brigadistas  voluntários para que o acesso seja mais rápido e a ação mais eficaz. Duas aeronaves airtractor do Programa Bahia Sem Fogo também estão dando apoio ao combate.

Este ano, cerca de 20 municípios já foram acometidos de incêndios florestais de grande proporção na região Oeste e Chapada Diamantina. Esse número seria ainda maior se não fosse pela atuação dos brigadistas voluntários de combate a incêndios capacitados pelo Corpo de Bombeiros Militar da Bahia (CBMBA) através do Programa Bahia Sem Fogo. Duas aeronaves do tipo AirTractor estão dando apoio aos bombeiros militares nos combates.

O clima é um dos fatores que influenciam os incêndios florestais. Nesta época do ano, as condições meteorológicas ficam mais propícias a potencializarem a ação das chamas, mas as causas, cerca de 95% dos incêndios, têm relação com a ação humana.
Se cada um colocar em prática a prevenção, o incêndio será evitado ou controlado com maior eficácia. 

Dentre as causas mais comuns, chama-se a atenção para as o uso indevido do fogo nas lavouras, especialmente nessa época do ano, pontas de cigarros lançadas acesas nas rodovias, a queima indevida de resíduos. Fogueiras mal apagadas, fogos de artifícios, raios, piromania e queimadas também estão entre as prováveis causas.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas