Chegou a hora do adeus para algumas das nossas lendas do MMA?

ivan dias marques
14.05.2019, 05:00:00

Chegou a hora do adeus para algumas das nossas lendas do MMA?


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


A noite de sábado (11) nos apresentou algumas conclusões importantes sobre uma geração de lutadores brasileiros de MMA. O card do UFC Rio foi recheado de atletas que estão no limite da competitividade em alto nível do esporte - alguns, inclusive, já estão aquém dessa linha há algum tempo.

Compreendo o amor pelo esporte e as escolhas de cada um de se manter na ativa por fazer o que gosta. Mas até onde isso vai prejudicá-los fisicamente? Até onde vale a vontade de lutar em detrimento à competitividade e ao cuidado com o próprio corpo?

Vejo Anderson Silva e Rogério Minotouro já abaixo do limite citado lá em cima. A lesão sofrida por Anderson, por mais que ele tenha se machucado antes em treino (segundo o próprio) e isso tenha comprometido sua movimentação, me parece um recado do corpo ao brasileiro: o que era absorvido antes, agora pode machucar sério. E a recuperação será mais lenta.

Quanto a Minotouro, os anos de boxe e MMA já cobram o preço há algum tempo. O baiano passou por diversas lesões e, ainda que conserve o punch, não tem a mesma movimentação e resistência de outrora. Se enfrentar alguém de idade semelhante, pode até se dar bem, mas contra um adversário 15 anos mais novo, como foi no Rio, vira presa fácil.

Ainda creio que José Aldo tem gás no tanque. O manauara teve um desempenho ruim, mas vinha de duas lutas boas. Segue entre os melhores por mérito próprio e, embora pareça longe de voltar a ser campeão, é competitivo. No caso de Aldo, que ainda tem 32 anos contra 44 de Anderson e 42 de Minotouro, a questão é muito mais mental: ele está focado o suficiente para seguir investindo em si mesmo? O tempo dirá.

Bahia
Sinceramente, fiquei espantado com o espaço que os jogadores de meio-campo do Athletico-PR tiveram na partida de domingo (12) contra o Bahia. Bruno Guimarães, Wellington e Léo Cittadini tocaram a bola como se não houvesse combate do meio tricolor. Pareciam sempre um passo à frente.

Os laterais tricolores tiveram uma noite para esquecer. Não por terem atuado mal, mas pelo trabalho em conter quase que ao mesmo tempo pontas e laterais do adversário. Os pontas do Bahia pouco auxiliaram na defesa e quando auxiliavam estavam sempre um passo atrás, sobrecarregando Nino e Paulinho.
 
No lado ofensivo, a pressão do ataque sobre a defesa paranaense deu certo. Assim, foram criadas algumas oportunidades tricolores, até mais do que nos duelos de 2018, pelo Brasileiro e pela Sul-Americana. No entanto, o número poderia ser bem maior se o meio-campo do Esquadrão acertasse o pé nos passes. Esse foi o maior problema da equipe em termos ofensivos, tanto na construção desde a defesa, como nos contra-ataques.

O Athletico, na maioria das vezes, trabalhava com oito jogadores na linha ofensiva, deixando apenas a dupla de zaga preparada para o contra-ataque. No entanto, nas vezes que o tricolor conseguiu recuperar a bola, pecou no passe e no posicionamento ofensivo. Parecia que os jogadores não sabiam bem o que fazer com a bola. Fica  a lição: a Série A dá chances, mas é preciso saber aproveitá-las.
 

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-de-81-anos-e-o-100o-paciente-com-covid-19-a-ter-alta-no-hospital-portugues/
Unidade comemorou liberação do homem, que deu entrada há seis dias com 50% do pulmão comprometido
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-um-susto-targino-se-prepara-para-cantar/
Músico sofreu grave acidente de carro, mas escapou ileso e agora se prepara para fazer lives
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sao-joao-sera-comemorado-com-maratona-de-lives-promovidas-pelo-correio/
Serão seis apresentações de bandas e cantores durante o projeto, que arrecadará doações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/junho-chegou-correio-promove-lives-para-comemorar-o-sao-joao/
Apresentações acontecem sempre às sextas e sábados de junho, às 19h
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/editorial-fotografado-a-distancia-une-tres-paises-na-quarentena/
O ensaio foi realizado pela plataforma Zoom, usando celular
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bau-de-marrom-a-bahia-tambem-ensina-como-cantar-e-dancar-forro/
Além da Axé Music a Bahia também exporta arrasta pé
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/copo-de-leite-faz-haddad-acusar-bolsonaro-de-brindar-supremacistas-brancos-entenda/
Leite tem sido usado como símbolo por neonazistas nos EUA; petista enxergou provocação após repercussão de mortes de homens negros. Presidente nega
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/anastacia-comemora-80-anos-com-muito-forro/
Cantora e compositora lança EP com produção de Zeca Baleiro e parcerias com Mariana Aydar, Chico César e Amelinha
Ler Mais