China descarta restrições às importações do Brasil após caso de covid-19 em frangos

coronavírus
13.08.2020, 16:54:25
Atualizado: 13.08.2020, 17:04:30
Carne de frango: chineses detectaram o vírus na embalagem do produto (Reprodução/TV TEM)

China descarta restrições às importações do Brasil após caso de covid-19 em frangos

País afirmou que está trabalhando em conjunto com autoridades brasileiras para identificar onde e como ocorreu a contaminação

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Após a China anunciar que detectou covid-19 em asas de frango congeladas com origem brasileira, a Embaixada do país asiático no Brasil afirmou nesta quinta-feira (13) que “por enquanto, não há novas restrições para a importação brasileira”.

“Recentemente, o MAPA (Ministério da Agricultura) tem mantido comunicações frequentes e produtivas com a GACC (alfândega chinesa) para trocar informações e criar mecanismos com vistas a minimizar os riscos de contaminação por vírus no comércio agro-pecuário sino-brasileiro”, afirma, em nota, a representação diplomática.

Segundo o documento, China e Brasil estão trabalhando em conjunto para “melhor identificar onde e como ocorreu a contaminação”. “Através de colaboração e entendimento mútuo, os eventuais impactos sobre o comércio bilateral serão gerenciados e controlados de forma objetiva e científica”, explica a embaixada.

Desde junho, a China suspendeu a autorização de exportação de cinco frigoríficos brasileiros enquanto outras duas empresas suspenderam os embarques por conta própria. No momento, seis unidades encontram-se com as exportações vetadas pela China.

Principal parceiro comercial do Brasil, a China é o maior importador da carne de frango brasileira, respondendo por 17% dos embarques no primeiro semestre deste ano.

No total, o Brasil enviou 346 mil toneladas de carne de frango ao país de janeiro a junho de 2020. O volume representa crescimento de 31,6% ante o registrado em igual período de 2019, quando a China respondeu por 12,9% do total exportado pelo Brasil.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas