Churrasco é coisa de mulher

bahia
08.08.2020, 10:04:00
Atualizado: 08.08.2020, 10:32:27
(Divulgação)

Churrasco é coisa de mulher

Leia artigo da assadora e açougueira Emanuele Nascimento

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Você alguma vez se perguntou por que o churrasco é um espaço de atuação tão masculina? De onde vem essa separação cultural em que mulheres comem salada e homens comem carne? Se nunca pensou nisso, chegou a hora.

Pois bem, sei que muitos de vocês nunca pararam para questionar nossa herança alimentar e os espaços dentro da cozinha. Vou contar aqui um pouco de como essas crenças surgiram e ganharam força, porém faço logo uma advertência: chegou a hora de mudar o jogo.

(Foto: Divulgação)

Desde o começo do século 19, uma série de propagandas, artigos, publicações estimularam a separação de hábitos alimentares femininos e masculinos. Com a entrada da mulher no mercado de trabalho  houve o surgimento de restaurantes específicos para o público feminino, onde não havia a oferta de bebidas alcoólicas.

Leia também
Cupim para painho: declare seu amor e concorra a um kit da Rainha do Cupim

Percebeu-se que carnes brancas, peixes, sobremesas eram mais indicadas a esse público. Essa decisão pertenceu as revistas de aconselhamento, que visavam dar as mulheres um espaço que contrastava com os estabelecimentos masculinos, onde a baderna e as bebidas alcoólicas imperavam.

Esses estabelecimentos mantinham a “honra” feminina, e foram amplamente estimulados e ganharam força impulsionados pela cultura machista.  Daí os ensinamentos e inúmeros livros que visavam ensinar a mulher a cozinhar para o seu marido, afinal eles gostavam de outras coisas. 

Uma geração obcecada pela dieta foi então criada. Aos homens o espaço de amantes da carne cada vez mais definido, a entrada do churrasco como ambiente masculino e a bebida alcoólica demarcado. 

Aos meninos desde cedo a carne é ofertada, são convidados a assar, a entrar nesse mundo. Onde as mulheres se ocupam de acompanhamentos, sobremesas e adornos. Sei que muitos de vocês devem estar pensando em suas próprias famílias e histórias de amigos bem semelhantes ao que estou contando.

Hoje vemos uma mudança, um movimento forte com um número crescente de mulheres assadoras e açougueiras, rompendo barreiras culturais e mostrando que os espaços em torno da comida são democráticos. Vamos combinar, o importante é uma comida boa, suculenta, que nos aquece o coração.

(Foto: Divulgação)

Claro que a entrada feminina nesse espaço é sim mais difícil, por conta disso, as mulheres fazem uma imersão de aprendizado mais intensa, se revelando profissionais mais técnicas. Elas não têm herança de mitos sobre a carne. No fim, até que tudo isso nos deu um ponto de vantagem ao menos.

O churrasco é um espaço social, é para estar com pessoas. O churrasco não se faz só. Nada mais democrático do que isso, e não pensem que churrasco é apenas sobre carne vermelha. Não se limite, as possibilidades são enormes. Vamos desvendar juntos?

Sim, sou eu, uma assadora e açougueira que te convida a desvendar o universo do churrasco e dos mitos sobre a carne. Está tudo ao nosso alcance, simbora?! Prometo uma viagem intensa, divertida, cheia de conhecimento e com muita simplicidade. Ah, e pode mandar sugestões. Até a próxima.

* Assadora e Açougueira


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas