CIA conclui que príncipe herdeiro saudita mandou matar jornalista, diz jornal

mundo
17.11.2018, 14:49:00
Atualizado: 17.11.2018, 15:08:30

CIA conclui que príncipe herdeiro saudita mandou matar jornalista, diz jornal

Agência de inteligência descobriu que Khashoggi conversou com o irmão do príncipe herdeiro saudita antes de ser morto

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) concluiu que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, ordenou o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, crítico do governo, no consulado do país em Istambul, na Turquia, no início de outubro. As informações são do jornal The Washington Post.

Segundo o próprio governo da Arábia Saudita, Khashoggi foi morto por um grupo de agentes do país, alguns deles próximos ao príncipe herdeiro, no dia 2 de outubro. Ele estava no consulado para pegar documentos para se casar com sua mulher turca.

A CIA descobriu que Khashoggi, que vivia em Washington, conversou com o embaixador saudita nos EUA e irmão do príncipe herdeiro, Khaled bin Salman, sobre a viagem à Turquia para obter os documentos. De acordo com a CIA, o embaixador pediu que Khashoggi fizesse os trâmites burocráticos em Istambul por solicitação do príncipe-herdeiro. E garantiu que nada ocorreria com o jornalista. Ainda não está claro se o embaixador sabia dos planos para assassinar o jornalista na Turquia.

Uma porta-voz da embaixada saudita em Washington negou ao jornal o conteúdo da conversa entre o embaixador e o jornalista. Segundo ela, as conclusões da CIA são "falsas". Após o desaparecimento do jornalista, a Arábia Saudita afirmou que Khashoggi saiu sozinho do consulado. No entanto, a pressão internacional e as provas apresentadas pela Turquia fizeram o governo saudita admitir que o opositor morreu no local.

Na primeira versão sobre a morte, os sauditas afirmaram que Khashoggi havia morrido em uma briga. Depois, o governo reconheceu que o jornalista foi vítima de um assassinato premeditado.

Cerca de 15 agentes que haviam chegado em Istambul na noite anterior esperavam Kashoggi no consulado saudita. Quatro deles fazem parte do esquema de segurança do príncipe herdeiro, que nega qualquer envolvimento no crime. Apesar das evidências, Mohammed bin Salman deve, segundo avaliação da própria CIA, sobreviverao escândalo da morte de Khashoggi e seguir como herdeiro do torno do país.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048