Cidade verde e amarela

tá russo
04.07.2018, 05:00:00
Atualizado: 05.07.2018, 11:24:54

Cidade verde e amarela

Por Gabriel Rodrigues, de Kazan

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Ruas de Samara tiveram os meios-fios pintados de verde e amarelo após a passagem da Seleção pela cidade (Foto: Gabriel Rodrigues/CORREIO)

O Brasil e seus torcedores se despediram de Samara com a classificação para as quartas de final, mas a passagem da Seleção Brasileira pelo local vai ficar marcada por muito tempo: na felicidade dos moradores locais em receber o maior campeão do Mundo e nas ruas, pintadas com as cores do Brasil. Tem sido assim na Rússia. O poder da camisa amarela é gigante.

Desculpas?

Autor de um pisão em Neymar, o mexicano Miguel Layún usou as redes sociais para responder aos brasileiros que foram até a sua página reclamar do lance. Ao invés de pedir desculpas pela agressão, o jogador afirmou que não tem interesse em entrar na discussão. “A toda gente do Brasil, não tenho interesse em entrar numa discussão que, na minha opinião, não faz sentido. Primeiro, porque o futebol se joga em campo. E, segundo, porque penso que vocês têm que ter cabeça para perceber o primeiro ponto”, escreveu ele. O lance aconteceu fora de campo e virou mantra para o choro mexicano pela eliminação na Copa.

Cadê os mexicanos?

Na viagem de Samara para Kazan, local de Brasil x Bélgica, pelas quartas de final da Copa do Mundo, o voo foi lotado de torcedores mexicanos. A maioria, no entanto, ficou no meio do caminho, na conexão em Moscou. Parece que passagem pela Rússia chegou ao fim com a eliminação do seu país. Na sequência da viagem, alguns torcedores da Bélgica marcaram presença.

Meio cansado?

As Fan Fests têm como características o clima festeiro com shows, apresentações artísticas e muita cerveja. Um verdadeiro Carnaval para acompanhar as partidas da Copa do Mundo. Mas a galera em Kazan, local da partida entre Brasil e Bélgica, pelas quartas de final, resolveu inovar. As pessoas presentes à Fan Fest da cidade acompanharam o duelo entre Colômbia e Inglaterra sentadas no chão. Parecia mais que estavam assistindo a uma peça de teatro. Bastante incomum.

Fim de linha para ídolos

As eliminações da Espanha nas oitavas de final da Copa do Mundo decretou o fim da linha para um ídolo da seleção. Como já era esperado, o meia Andrés Iniesta anunciou oficialmente que não defenderá mais o seu país. “Agora é o momento de dar um passo ao lado. Não tem sido uma decisão nada fácil, ao contrário, levei muitos meses pensando nisso”, escreveu o autor do gol do título mundial da Fúria, em 2010. Ontem, o volante argentino Mascherano, que também se aposentou da sua seleção, usou as redes sociais para agradecer pelo tempo em que defendeu o seu país: “Obrigado eternamente a todos por tudo. Fui muito feliz”, disse ele.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas