Cloroquina derruba mais um ministro da Saúde

coronavírus
16.05.2020, 06:00:00
Nelson Teich (sem máscara) falou rapidamente sobre saída (Foto: Erasmo Salomão/MS)

Cloroquina derruba mais um ministro da Saúde

Nelson Teich deixa cargo quando Bolsonaro diz que vai ampliar autorização para uso do medicamento

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Existem muitas dúvidas a respeito da eficácia da cloroquina no combate aos sintomas da covid-19, entretante os últimos dois meses não deixam dúvidas quanto ao efeito do medicamento na sobrevida de ministros da Saúde no Brasil. Um mês após se despedir de Henrique Mandetta, que se opunha ao uso do medicamento como desejava, o presidente Jair Bolsonaro viu nesta sexta-feira outro médico pedir o chapéu. O agora ex-ministro da Saúde Nelson Teich anunciou a sua demissão algumas horas após Bolsonaro avisar apoiadores que o Ministério da Saúde iria passar a recomendar uso da cloroquina nos estágios iniciais da infecção pelo novo coronavírus. 

Desde que assumiu o Ministério da Saúde, Nelson Teich vinha assistindo calado o presidente impor a sua própria agenda no combate à pandemia da covid-19. Ele chegou a externar posições sobre a necessidade de se manter uma política de isolamento, mas sem a contundência de seu antecessor, Henrique Mandetta. Na última terça-feira, quando o presidente, sem lhe avisar, acrescentou os salões de beleza, barbearias e academias entre as atividades essenciais, Teich ainda conseguiu engolir o susto e ser diplomático. Respondeu apenas que cabia ao presidente definir as atividades essenciais e que ao Ministério da Saúde caberia ajudar para que houvesse o mínimo de riscos à saúde na implementação das medidas. 

O ex-ministro suportou também o fato de não ter conseguido montar a sua própria equipe, uma vez que seus auxiliares diretos foram todos indicados diretamente pelo presidente da República – a maioria dos nomes, militares de alta patente. Um deles assumiu o ministério interinamente, o general Eduardo Pazuello. 

As discordâncias entre Bolsonaro e Teich começaram quando o ex-ministro anunciou que a diretriz do governo para orientar estados e municípios em relação às medidas de distanciamento previa o bloqueio total, conhecido como “lockdown”, medida que contraria o presidente, favorável à reabertura da economia.

Saída discreta
O oncologista Nelson Teich agradeceu a sua equipe ao se despedir do Ministério da Saúde. No discurso que durou cinco minutos e 35 segundos, ele não explicou o motivo para a saída do cargo. “A vida é feita de escolhas e hoje eu escolhi sair. Não é uma coisa simples estar a frente de um ministério como esse em um período tão difícil. Agradeço ao meu time que sempre esteve ao meu lado. É um trabalho de um grande time”, disse ao lado do agora ministro interino Eduardo Pazuello.


"Deixo um plano de trabalho pronto para auxiliar os secretários estaduais e municipais, prefeitos e governadores" 
Nelson Teich
Ex-ministro da Saúde


Durante sua fala, Teich defendeu a importância de articulação com estados e municípios e afirmou que deixou  diretrizes para orientar a tuação desses gestores. Segundo ele, essa articulação é “essencial” para conduzir a saúde no país. “Deixo um plano de trabalho pronto para auxiliar os secretários estaduais e municipais, prefeitos e governadores a tentar entender o que está acontecendo e definir próximos passos”, destacou.

Apesar da referência, a articulação falha do ministro com gestores estaduais e municipais foi um dos elementos de seu isolamento na pasta. Na quarta-feira, Teich desistiu de apresentar a matriz de isolamento proposta pelo ministério após não conseguir consenso diante da proposta.

Teich evitou polemizar sobre a decisão de sair e apenas agradeceu o presidente Bolsonaro pela “oportunidade” de atuar no SUS.

Panos quentes
Os ministros da Walter Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo)  minimizaram o pedido de demissão de Nelson Teich do Ministério da Saúde, dizendo que foi por “questões de foro íntimo”.  Ramos e a ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) também defenderam a utilização da cloroquina contra a covid-19, mesmo sem evidências de sua eficácia. 

“O ministro Teich saiu por questões de foro íntimo. Conversou hoje com o presidente, conversa amigável, conversou comigo e outros ministros. Sem problema nenhum. São posições diferentes”, disse Braga Netto, em entrevista coletiva no Palácio do Planalto.

Ramos disse ter conversado com Teich nesta sexta e relatou que ele estava “sereno”. O ministro ainda reforçou que a saída ocorreu por “uma decisão de foro íntimo”. 

Os ministros também ressaltaram acreditar que mudanças pontuais no ministério não seriam um problema. 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, que também participou da entrevista, disse "absolutamente natural" um presidente trocar um ministro se tiver discordância com eles

“Se tem um presidente que tem uma orientação, o ministro tem outra, quem tem voto é o presidente, quem sai é o ministro. É absolutamente natural isso, e não há nada de anormal nisso. O anormal seria o contrário, sair o presidente”, destacou Guedes.


Três conflitos 

Cloroquina
O médico alertou que não há comprovação científica de eficácia ou sobre os efeitos colaterais do uso da cloroquina. Na manhã de sexta (dia 15), o presidente afirmou que o protocolo de uso do medicamento seria alterado, poucas horas antes do pedido de demissão do ministro 

Serviços essenciais
Na última terça-feira (dia 11), o presidente Jair Bolsonaro publicou um decreto ampliando o número de atividades consideradas essenciais, sem consultar o seu ministro da Saúde. Teich tomou conhecimento durante um encontro com a imprensa de que Salões de beleza, barbearias e academias passaram foram incluídos na lista 
 
Isolamento 
Enquanto Bolsonaro vinha defendendo a necessidade de flexibilizar as políticas de isolamento, o ex-ministro dizia que ainda não era hora de pensar nisso



Defensora de medicamento está cotada para o cargo

Nise Yamaguchi defende o uso de medicação em todos os estágios da covid-19 (Foto: divulgação)


Apontada como principal consultora do presidente Jair Bolsonaro a respeito do uso da hidroxicloroquina e da azitromicina no combate ao coronavírus, o nome da imunologista Nise Hitomi Yamaguchi voltou a dominar os bastidores de Brasília após anúncio da demissão do ministro da Saúde, Nelson Teich. Ela passou a manhã no terceiro andar do Palácio do Planalto, de onde despacha o presidente.

Há pouco mais de um mês, a médica passou a integrar o comitê de crise do governo federal contra a pandemia. Desde então, vem defendendo “evidências científicas” de que a medicação ajuda no “tratamento precoce” da doença.

O mais provável, no entanto é que o novo titular da Saúde ingresse no ministério já com uma flexibilização nas regras para o uso do medicamento. Ministro interino, Eduardo Pazuello, recebeu a ordem do presidente para avalizar o protocolo que permite o uso do medicamento ainda nas fases iniciais da infecção pelo novo coronavírus. Atualmente, a pasta orienta a prescrição da substância apenas em casos moderados ou graves.



O que se sabe sobre o uso da cloroquina?
O que é 

A cloroquina e a hidroxicloroquina são dois compostos usados no tratamento da malária, para reduzir febre e inflamação

Hipótese 
O médico francês Didier Raoult sugere o uso da cloroquina associada à azitromicina (um antibiótico) no tratamento da covid-19, baseando-se em dois testes realizados por ele

Outros estudos
Diversos estudos realizados ao redor do mundo foram incapazes de comprovar eficiência do medicamento 

Críticas 
Cientistas criticam número baixo de testes feitos por médico francês

Efeitos colaterais
Sabe-se que pode causar problemas nos olhos, rins e do coração.



Repercussão internacional

El País: O jornal espanhol destacou que a demissão  acontece apenas um mês depois da posse e diz que ele ficou em evidência após ter sido avisado de um decreto enquanto dava uma entrevista
El País: O jornal espanhol destacou que a demissão acontece apenas um mês depois da posse e diz que ele ficou em evidência após ter sido avisado de um decreto enquanto dava uma entrevista (Reprodução)
The New York Times: O jornal norte-americano publicou que a saída de Teich foi marcada por divergências sobre as medidas de distanciamento social e lockdowns
The New York Times: O jornal norte-americano publicou que a saída de Teich foi marcada por divergências sobre as medidas de distanciamento social e lockdowns (Reprodução)
BBC: A rede britânica anunciou a saída do ministro Teich e lembrou que Brasil é o país da América Latina mais atingido pela pandemia, com mais de 200 mil casos de infectados pelo novo coronavírus
BBC: A rede britânica anunciou a saída do ministro Teich e lembrou que Brasil é o país da América Latina mais atingido pela pandemia, com mais de 200 mil casos de infectados pelo novo coronavírus (Reprodução)
El Mundo: O jornal espanhol publicou que a escalada da tensão entre Jair Bolsonaro e o ministro Teich era “cada vez mais evidente” e lembrou que ministro ficou apenas 28 dias
El Mundo: O jornal espanhol publicou que a escalada da tensão entre Jair Bolsonaro e o ministro Teich era “cada vez mais evidente” e lembrou que ministro ficou apenas 28 dias (Reprodução)
The Guardian: O jornal britânico lembrou que Teich discordou do presidente e destacou que o Brasil já ultrapassou em número de casos a França e a Alemanha
The Guardian: O jornal britânico lembrou que Teich discordou do presidente e destacou que o Brasil já ultrapassou em número de casos a França e a Alemanha (Reprodução)
Corriere della Sera: A publicação italiana reforçou a “incompatibilidade” entre o ministro e o presidente. O Corriere lembrou que Teich é o segundo a deixar a pasta durante a pandemia
Corriere della Sera: A publicação italiana reforçou a “incompatibilidade” entre o ministro e o presidente. O Corriere lembrou que Teich é o segundo a deixar a pasta durante a pandemia (Reprodução)
Clarín: O jornal argentino  destacou que Teich tinha “diferenças com o presidente” Jair Bolsonaro. A publicação reforçou que o então ministro e seu antecessor tiveram problemas com Bolsonaro
Clarín: O jornal argentino destacou que Teich tinha “diferenças com o presidente” Jair Bolsonaro. A publicação reforçou que o então ministro e seu antecessor tiveram problemas com Bolsonaro (Reprodução)
Diário de Notícias: O jornal português diz que o ministro se demitiu por se sentir desau- torizado e ressaltou que o Brasil terá o  terceiro ministro  na Pandemia
Diário de Notícias: O jornal português diz que o ministro se demitiu por se sentir desau- torizado e ressaltou que o Brasil terá o terceiro ministro na Pandemia (Reprodução)



‘Foi um mês perdido’, lamenta Mandetta
O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta classificou a nova baixa na pasta, anunciada nesta sexta-feira, 15, como uma perda de tempo durante a pandemia de covid-19. “A única coisa que sei é que foi um mês perdido, jogado na lata do lixo”, disse ao Estadão.  A exemplo de Mandetta, Nelson Teich deixou o governo após confrontos com o presidente Jair Bolsonaro sobre a melhor estratégia de combate à pandemia do coronavírus.

Para o ex-ministro, que ocupou o cargo de janeiro do ano passado até abril deste ano, ainda não é possível fazer um prognóstico sobre como ficará o combate ao avanço da doença no Brasil.

Mais cedo, logo após a notícia da demissão de Teich, Mandetta foi ao Twitter desejar “força” ao Sistema Único de Saúde (SUS).



Congresso reage com indignação e descrença
Os líderes partidários na Câmara e no Senado demonstraram incredulidade e irritação após o anúncio que Nelson Teich pediu exoneração do posto após menos de um mês como ministro. 

Na Câmara, as reações foram de irritação. O líder do DEM, deputado Efraim Filho (PB) afirmou que Teich vai “sem deixar saudade”, passando a impressão de que nunca assumiu. O presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP) disse que “saiu quem não tinha entrado”.  O deputado  pontuou que o médico não conseguia expor suas ideias e nem lidar com a imprensa. Paulinho também criticou a postura do presidente da República, que ignora recomendações técnicas de médicos. 

No Senado, o sentimento foi de incredulidade. Líder do PDT, o senador Weverton (MA) disse que a saída do segundo ministro em menos de um mês é “inacreditável”. 

Jonas Donizette (PSB), presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), lamentou a situação e disse que o Brasil não merecia passar por este momento.  


"Essa descontinuidade administrativa é muito ruim e prejudicial. A saída do ministro Nelson Teich dificulta ainda mais a relação com o governo federal para o enfrentamento ao coronavírus" 
ACM Neto 
Prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM

"O gesto demonstra mais uma vez a insensibilidade, a intolerância e a incapacidade do presidente Jair Bolsonaro de compreender a dimensão do cargo que ocupa"  
João Dória 
Governador de São Paulo

"O ministro Teich saiu por questões de foro íntimo. Conversou hoje com o presidente" 
Walter Braga Netto
Ministro da Casa Civil

"Me perdoem, façam uma pesquisa, as pessoas estão sendo curadas, sim  (com a cloroquina)"
Luiz Eduardo Ramos
Ministro da Secretaria de Governo

"Vai ser difícil encontrar um ministro capaz de lidar, ao mesmo tempo, com a crise sanitária e com Jair Bolsonaro" 
Paulinho da Força
Deputado federal, líder do Cidadania


"Mais um médico que não abandona a ciência e se insurge contra um Presidente que nos leva para uma situação insustentável" 
Fabiano Contarato
Senador (Rede-ES)

"O governo não tem planos  para combater a pandemia" 
Bruno Araújo 
Presidente nacional do PSDB

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas