Com aumento nos custos, Martagão Gesteira lança campanha por doações

coronavírus
10.04.2020, 12:25:27
Atualizado: 10.04.2020, 14:01:19
(Sandra Rozados/Divulgação)

Com aumento nos custos, Martagão Gesteira lança campanha por doações

Custos com EPIs saltaram de R$ 30 mil para R$ 216 mil

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Com o aumento dos custos por conta da pandemia de coronavírus, o Hospital Martagão, que atende a mais de 80 mil crianças por ano, lançou uma campanha para reforçar as doações financeiras. Somente em equipamentos de proteção individual (EPI), como máscaras, luvas e aventais, o custo mensal aumentou de cerca de R$ 30 mil para R$ 216 mil. Instituição filantrópica, o Martagão conta com os atos de solidariedade da população para prestar atendimento aos pacientes. 

“Neste momento, em que o mundo enfrenta o desafio de combater a transmissão e contágio do coronavírus e o distanciamento social acaba sendo importante, precisamos ainda mais do apoio da sociedade. É com a ajuda financeira da população que acredita no nosso trabalho que podemos continuar a cobrir o déficit mensal da nossa instituição e garantir o atendimento a crianças de todo o estado da Bahia”, ressalta o presidente da Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil (entidade mantenedora do Martagão), Carlos Emanuel Melo.

Com o mote “Quando falta você, falta tudo”, a campanha reforça que, com o apoio da sociedade, será possível superar essa fase. A campanha ainda reforça a necessidade de continuar doando para a instituição.

As doações podem ser feitas online (transferências bancárias), por meio das contas disponibilizadas no site do hospital ou pela plataforma Kickante (kickante.com.br/martagao). “O Martagão tem uma receita de aproximadamente R$ 6 milhões por mês e uma despesa 10% acima disto. E como é que a gente administra isso? Através de ações de mobilização social, doações, captação de recurso. Tudo isto representa uma espécie de colaboração e é essa engrenagem que faz a gente manter esse hospital funcionando”, acrescenta Melo.

Segundo o presidente da Liga, 70% dos pacientes são oriundos de famílias cuja renda familiar é igual ou inferior a um salário mínimo. “São números do ambulatório do Martagão. É um hospital vocacionado para atender doenças graves de crianças pobres. E só conseguimos garantir esse acesso à saúde porque a sociedade nos apoia. Sem as doações, nada disso seria possível”, acrescenta. Mais informações sobre as doações financeiras: (71) 3032-3773 ou www.martagaogesteira.org.br/doe-agora. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas