Com bombas de gás, PM retira famílias que ocupavam antigo Hospital Couto Maia

salvador
20.12.2019, 08:08:00
Atualizado: 20.12.2019, 19:09:39
(Foto: Eduardo Dias/CORREIO)

Com bombas de gás, PM retira famílias que ocupavam antigo Hospital Couto Maia

Prédio estava ocupado desde o dia 30 de novembro 

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Cerca de 100 famílias que ocupavam há 21 dias a antiga sede do Hospital Couto Maia, no bairro de Monte Serrat, em Salvador, foram retiradas do local na manhã desta sexta-feira (20) pela Polícia Militar. "Despejaram a gente. Pegaram todos no sono. Foi muito rápido. Colocaram gás lacrimogêneo. Estão querendo levar uma parte de nossas coisas para um galpão", relatou um dos moradores da ocupação ao CORREIO. 

O prédio do antigo Couto Maia,  onde funcionará o primeiro hospital de Cuidados Paliativos da Bahia,  estava ocupado desde o dia 30 de novembro. 

Em nota, o Governo do Estado informou que desde o dia do início da ocupação 'negociava a saída dessas pessoas do prédio público, que armazena cerca de R$ 25 milhões em equipamentos e materiais cirúrgicos utilizados pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) para realização dos Mutirões de Cirurgias'. 

O prédio do antigo Couto Maia está em processo licitatório para reforma e adaptações para implantação do Hospital Estadual de Cuidados Paliativos. 

Dentre as famílias que estavam no local, segundo o governo do estado informou em nota,  25 são beneficiadas com o Aluguel Social, custeado pelo próprio governo. "Elas aguardam, dentro do prazo de entrega ainda vigente, as suas unidades habitacionais, asseguradas durante o processo de negociação pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedur). Assistentes sociais desta secretaria realizaram o levantamento situacional das demais famílias, acompanhados pelas lideranças do movimento, a fim de possibilitar a inclusão delas no Cadastro Estadual da Casa da Gente", destacou o governo. 

Na nota, o governo informou que a desocupação foi 'uma ação pacífica com apoio da Polícia Militar da Bahia'. Em contato com o CORREIO, a Secretaria de Comunicação Social do Governo do Estado informou que 'não houve uso de bomba na operação do Couto Maia' ao contrário do que informaram os moradores. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas