Com medo que combustível acabe, motoristas de Salvador fazem filas em postos

salvador
24.05.2018, 14:20:00

Com medo que combustível acabe, motoristas de Salvador fazem filas em postos

Jovem diz que foi abastecer após ser 'avisado' que gasolina termina hoje
Carros fazem longa fila para abastecer em posto em frente ao Centro Espanhol, na Barra (Foto: CORREIO)

Para garantir o tanque cheio, os motoristas de Salvador já começaram a formar longas filas em alguns postos de combustíveis, nesta quinta-feira (24). No Micro Posto Ipiranga, no bairro do Rio Vermelho, por exemplo, o movimento de veículos era intenso pela manhã e início da tarde, com os carros já formando uma fila que invadia a Rua Oswaldo Cruz, bem em frente ao Largo da Mariquita.

O CORREIO também registrou longas filas Posto Chaminé, no mesmo bairro, e no posto que fica em frente ao Centro Espanhol, na Barra, na entrada do Morro do Gato.

Filas para abastecer no Posto Chaminé, no Rio Vermelho
Filas para abastecer no Posto Chaminé, no Rio Vermelho (Foto: Márcio Costa e Silva/CORREIO)
Filas para abastecer no Posto Chaminé, no Rio Vermelho
Filas para abastecer no Posto Chaminé, no Rio Vermelho (Foto: Márcio Costa e Silva/CORREIO)

Por volta das 10h, a dona de casa Cleusa Carvalho, 55, era uma das últimas que aguardavam para colocar gasolina. Ela disse que costuma abastecer o carro no Micro Posto, frequentemente, e que nunca tinha encontrado uma tantos veículos.

"Eu venho aqui sempre e nunca vi tanto carro. Acho que o pessoal tá com medo de aumentar a gasolina", comentou ela.

Precaução
Quem também quis se prevenir foi a aposentada Margarida Cardoso, 60. Ela disse que vai triplicar o abastecimento de gasolina no seu veículo. "Geralmente, eu coloco R$ 50, mas hoje vou colocar R$ 150. Estou com medo de ficar sem gasolina e já quero garantir o da semana", explicou.

Margarida Cardoso encheu o tanque, por precaução (Foto: Milena Teixeira/CORREIO)

Ainda no Rio Vermelho, o empreendedor Roger Oliveira, 21 anos, disse que resolveu abastecer logo após levar a sério uma informação divulgada no celular. 

Roger Oliveira ouviu áudio alarmista e resolveu abastecer logo (Foto: Milena Teixeira/CORREIO)

"Eu ouvi um áudio no WhatsApp dizendo que depois das 17h não ia ter mais gasolina. Então, resolvi botar logo. Queria ter mais dinheiro pra colocar mais e ficar despreocupado", declarou.

O CORREIO presenciou postos com filas em diversos locais, desde cedo, a exemplo da Avenida Garibaldi, Stiep, Graça, San Martin, Barra e Rio Vermelho.

20% sem combustível
Segundo estimativa do presidente do Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energias Alternativas e Lojas de Conveniências do Estado (Sindicombustíveis), Walter Tannus, pelo menos 20% dos 250 postos de Salvador já estão com problema de abastecimento. No interior do estado, a situação é ainda pior: pelo menos 50% dos cerca de 2 mil postos estão sem gasolina e álcool. 

"Nós tivemos um agravamento muito grande de ontem para hoje (quinta) porque as distribuidoras não conseguiram mais atender aos pedidos integrais dos postos e isso está fazendo com que falte gasolina e álcool nas bombas. A população está correndo para abastecer, o que favorece com que o combustível acabe ainda mais rápido", explica Tannus. 

O presidente do Sindicombustíveis argumenta que, com a mudança de comportamento do consumidor, a tendência é que o combustível acabe, pois não está ocorrendo o ressuprimento do produto.

"Nos meus três postos que tenho em Salvador ficaremos sem gasolina e álcool ainda hoje. Só tem diesel porque os caminhoneiros não estão abastecendo", explica Tannus. 

De acordo com o sindicato, um posto de gasolina compra, em média, 20 mil litros de combustíveis a cada três dias, e vende cerca de 7 mil por dia. 

Com a maior procura e menor oferta, o preço em Salvador do litro da gasolina já beira os R$ 5. "O apelo que faço é que não suba o preço. Não é hora de aproveitar e tirar proveito. O dono de posto é livre, mas não é hora de fazer isso", esclarece Tannus. 

Bombas vazias
No posto BR Gameleira, na BR-324, altura do Makro, as bombas devem ficar vazias até o final da tarde de hoje. Isso porque o caminhão que abasteceria o posto está preso desde do início da manhã na via por conta do protesto dos caminhoneiros.

De acordo com funcionários, há cerca de 5 mil litros em reserva nos tanques do posto, quantidade insuficiente para abastecer os clientes até o final do dia. Por lá, o litro da gasolina está sendo vendido a R$ 4,58.

*Com supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier e do editor João Gabriel Galdea.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas