Com novo lote, Bahia terá 81% dos trabalhadores de saúde vacinados

salvador
25.02.2021, 05:00:00
Chegada da nova remessa das vacinas de Oxford/AstraZeneca (Nara Gentil/CORREIO)

Com novo lote, Bahia terá 81% dos trabalhadores de saúde vacinados

Segundo a Sesab, 23% do público prioritário já foi vacinado até o momento

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Nove dias após acabar a vacina em boa parte das cidades baianas, dois voos comerciais trouzeram mais doses de esperança nessa quarta-feira (24). Dessa vez, a quinta remessa enviada pelo Ministério da Saúde à Bahia contém 208.700 doses - 29.850 delas ficam na capital, todas do laboratório de Oxford/AstraZeneca. O primeiro avião pousou no final da manhã, por volta das 11h, com 129.500 vacinas produzidas pela AstraZeneca/Fiocruz. O segundo, que trouxe 79.200 doses da Sinovac/Butantan, aterrisou às 21h20.  

Com a nova remessa, 81% dos trabalhadores de saúde baianos estarão vacinados, garantiu a coordenadora de imunização do Estado, Vânia Rebouças. “Nesta remessa de agora, estaremos fazendo esse incremento de mais 15% para os trabalhadores de saúde. A gente só havia liberado, até o momento, 66% para a população estimada de trabalhadores de saúde, que são 418 mil profissionais, pela nossa estimativa”, explica Vânia.  

A coordenadora afirma que as vacinas serão distribuídas às 31 Diretorias Regionais de Saúde da Bahia logo pela tarde. De lá, os centros distribuirão para os 417 municípios baianos. Todas servirão para dar continuidade à primeira fase de vacinação, ou seja, se referem à aplicação da primeira dose. Além dos trabalhadores de saúde, os idosos acima de 80 anos continuarão a receber o imunizante.  

“Vamos também continuar a vacinação de idosos em ordem decrescente de idade. Já havíamos liberado anteriormente 100% das doses para idosos a partir de 87 anos, daremos continuidade, e agora, começaremos a vacinação para idosos a partir de 80 anos. Os municípios darão continuidade às suas ações de onde pararam. Aqueles que foram até 86 anos, farão 86, 85, 84, e 83 anos, enquanto tivermos estoque suficiente para atendê-los nossa próxima remessa”, detalha Rebouças. 

A coordenadora assegura que essa leva abrangerá todos os idosos acima de 85 anos no estado e um pequeno quantitativo de idosos entre 80 e 84 anos. A maioria das cidades já esgotou o estoque da primeira dose – 93,7% delas foram aplicadas, segundo o painel de vacinação da Sesab - e 44% da segunda dose já foram usadas pelos municípios. A primeira dose começou a ser aplicada no dia 19 de janeiro e a segunda dose no dia 16 de fevereiro.  

Ao todo, são 419.720 pessoas vacinadas na Bahia, segundo painel de vacinação da Sesab. Isso significa que apenas 23,4% do público da primeira fase foi vacinado e 8,3% do público prioritário, que inclui as quatro fases de vacinação (relembre no final da matéria). Em relação à população total da Bahia, o número representa 2,8% do total.  

A expectativa é de que a primeira fase da vacinação na Bahia, que contém mais de 1,7 milhão de pessoas – ou seja, são necessárias 3.582.876 doses de vacina – acabe em março deste ano. “Nossa estimativa inicial é de concluir ainda no primeiro trimestre e precisamos ser otimistas para que a gente realmente consiga até março garantir a vacinação de 100% dos públicos da primeira fase. Já liberamos vacinas para atende 100% dos índios aldeados, dos idosos em instituição de longa permanência, pessoas com deficiência em instituição de longa permanência, agora com essa remessa, teremos 81% dos profissionais de saúde e estamos avançando para idosos de 80 anos de idade. Nossa expectativa é de esses grupos que estão pendentes”, estima a coordenadora de imunização. 

Prefeitura e governo do estado negociam com laboratórios 
Após a liberação do Supremo Tribunal Federal (STF) de estados e municípios poderem adquirir a vacina contra a covid-19, a prefeitura de Salvador e o governo da Bahia continuam negociando com laboratórios. No caso da prefeitura, o prefeito Bruno Reis planeja a aquisição de 300 mil doses da Índia, do laboratório de Oxofrd/AstraZeneca, como já foi divulgado pelo CORREIO. Já o governador Rui Costa tem reuniões nos próximos dias com o laboratório Pfizer e com o Fundo Soberano Russo, para tratar da Sputnik.  

Para a subsecretária de saúde da Bahia, Tereza Cristina Paim, essa mudança de entendimento do STF é um grande avanço. “O Supremo Tribunal Federal fez uma possibilidade de melhorarmos nosso humor em relação ao recebimento de vacinas, porque essa é uma necessidade absoluta. A gente tem total compreensão de que leito de UTI é muito caro, uma morte não tem preço, e a vacina tem. Então é um grande avanço, a agência reguladora certificou a entrada da vacina da Pzifer e nós já estamos tramitando com a Pzifer. O governo do estado já tem reunião marcada, na iniciaremos as negociações. Estamos aqui ávidos e o Sistema Único de Saúde tem total capacidade de aplicabilidade da vacina, assim que recebemos, rapidamente fazemos a aplicação delas”, conta Tereza.  

A reunião com a representante da Pzifer, segundo a subsecretária, será realizada amanhã. “A gente vaie ter um diálogo de como fazer essa aquisição, qual a disponibilidade, de que forma é essa disponibilidade e o custo dessa disponibilidade", completa Paim.  

Reserva técnica de 5% 
É preciso lembrar que, a cada remessa de doses que chegam ao estado, 5% delas são guardadas para uma reserva técnica operacional, isto é, caso alguma vacina quebre, saia da temperatura adequada ou se perca por algum motivo. Ou seja, dessa leva de 208.700 doses, 10.435 irão para reserva técnica e 198.265 serão, de fato, distribuídas aos municípios para serem aplicadas. Se houver sobra, essas doses excedentes, que estavam na reserva, serão remanejadas às cidades que mais necessitam.  

Por isso, muitas vezes, os números de doses recebidas e aplicadas não são os mesmos nos painéis de vacinação da Secretaria Municipal de Salvador, Secretaria de Saúde da Bahia e Ministério da Saúde. A SMS informa, por exemplo, que, até às 15h de hoje (24), 117.367 pessoas foram vacinadas, enquanto que no painel da Sesab, constam que somente 116.980 vacinas foram distribuídas para a primeira dose.  

“Nós não queremos vacinas estocadas e, onde a gente pode aplicar a vacina, estamos fazendo. Todo o contingente que chega de vacina, ela tem um risco, de perda, de queda, de quebra, de perda de volume. Então nós trabalhamos com segurança, que gira em torno de 5% de doses a mais. Como tínhamos a previsão de recebimento, estamos fazendo a logística como ela deve acontecer”, esclarece a subsecretária de saúde da Bahia, Tereza Paim.  

Ela ainda diz que as vacinas de Oxford são integralmente aplicadas, quanto as da Coronavac são reservadas em 50%. “O tempo de execução da segunda dose Coronavac são de quatro semanas. A de Oxford são 12 semanas. Então aplicamos 505 da Coronavac para que não faltasse para ninguém e assegurasse a segunda dose à população”, conclui. 

População vacinada na Bahia (1ª dose) 
trabalhadores de saúde: 265.711 
Idosos acima de 90 anos - 47.405 
Idosos entre 85 e 89 anos - 53.582  
Idosos entre 80 e 84 anos - 22.395 
Idosos em instituição de longa permanência - 13.460 
Indígenas aldeados - 15.513 
Pessoas com deficiência - 654 

População vacinada na Bahia (2ª dose) 
Trabalhadores de saúde: 67.389 
Idosos em instituição de longa permanência - 4.105 
Indígenas aldeados - 3.705 
Pessoas com deficiência - 263 

Plano de vacinação: 

Fase 1 
Trabalhadores de saúde - 374.368 
Idosos acima de 75 anos - 555.753 
Idosos em Instituição de Longa Permanência - 9.788 
Indígenas - 22.669 
Povos e comunidades tradicionais e ribeirinhas - 828.860 
Total: 1.791.438 (3.582.876 doses de vacina necessárias) 

Fase 2 
Idosos entre 60 e 74 anos - 1.426.043 (2.852.086 vacinas necessárias) 

Fase 3 
Comorbidades (risco de maio agravamento): 952.507 (1.905.014 vacinas necessárias) 

Fase 4 
Pessoas em situação de rua, forças de segurança e salvamento, pessoas com deficiências institucionalizadas, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo rodoviários e metro ferroviário, trabalhadores de transporte aéreo, trabalhadores portuários, população carcerária e funcionários do sistema carcerário - 874.634 pessoas (1.749.268 doses de vacinas necessárias) 

Todas as 4 fases - 5.080.001 (10.160.002 doses de vacinas necessárias) 

*Com a orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas