Conheça a sorveteria da Barra que tem 100% dos funcionários surdos

salvador
07.07.2021, 06:30:00
Atualizado: 07.07.2021, 11:23:21
Clientes ouvintes e funcionários se entendem por sinais no balcão (Nara Gentil/CORREIO)

Conheça a sorveteria da Barra que tem 100% dos funcionários surdos

Atendimento no local é feito em Língua Brasileira de Sinais - Libras

Il Sordo Gelato. Se você não é um morador da Barra, é possível que esse nome ainda não te pareça familiar, afinal, essa é uma sorveteria aberta há apenas cinco meses na Rua Marquês de Caravelas, uma das perpendiculares à famosa orla do bairro. Mas o seu sócio, Rafael Almeida, garante que é questão de tempo até que todos descubram a loja.

Rafael, assim como todos os quatro funcionários do estabelecimento, é surdo. “O atendimento é tranquilo. Sempre há uma forma de nos entendermos com os clientes”, afirma o empreendedor e professor de Libras.

A maioria de seus clientes, segundo conta, são ouvintes. Mas, ele afirma que ainda há tempo para expandir seu negócio. Para isso, a empresa foi pensada tendo como um de seus principais objetivos a inclusão das pessoas com deficiência.

“A proposta é mostrar que a pessoa com deficiência tem capacidade de empreender, de participar ativamente da construção do país. Também reivindicamos espaço, inclusão, acessibilidade e respeito. Nos sentimos honrados com a receptividade que estamos tendo com o público de uma maneira em geral”, acrescenta o empresário.

O serviço presencial é em Libras e a sorveteria funciona de segunda-feira a sábado das 12h às 20h, e aos domingos, de 11h até 19h. Nas redes sociais do empreendimento, como o perfil no Instagram, a inclusão se faz presente em hastags e no recurso de descrição detalhada das imagens postadas. “#AcessívelParaTodos: Imagem mostra copo da Il Sordo com bandeira de arco-íris e texto "Love Wins" desenhados no quadro”, lê-se em uma das legendas das imagens. É na atenção aos detalhes que Rafael conquista seus clientes. 

Fãs de sorvete

Parte dos frequentadores fiéis da Il Sordo Gelato, Taís Nogueira, 43, é professora de Libras de pessoas surdas e ouvintes e também foi casada com um surdo. Moradora da rua Marquês de Caravelas, ela conta que a sorveteria gerou expectativa na comunidade antes mesmo de ter chegado a Salvador.

“Quando a Il Sordo estava vindo para Salvador gerou alegria muito grande na comunidade surda. Fico encantada com a qualidade dos produtos e com a proposta da gelateria. O atendimento, o ambiente charmoso e agradável, tudo isso me ganha. Inclusão com sabor”, afirma Taís.

Esse sempre foi o desejo do empresário Rafael Almeida. Ele conheceu a franquia quando foi a Sergipe e, desde então, almejava abrir uma loja na cidade natal. Resolveu unir a vontade de ser empreendedor à antiga profissão como professor de Libras, na qual atuava nos últimos 13 anos e, a partir daí, começou o processo de abertura da empresa e o recrutamento dos funcionários. 

“Conheci a Il Sordo de Aracaju, gostei do projeto e trouxe para Salvador. Meu desejo sempre foi ser um empreendedor e encontrei na Il Sordo a minha oportunidade, pelo projeto da empresa, proposta e objetivo. Já o processo de contratação é o mesmo como o de qualquer outro emprego. Entrevista e avaliação do candidato”, explica.

Morador de Armação, ele diz que a surdez nunca foi um empecilho para a realização de seus projetos. “Busco, com responsabilidade, cuidado e muita vontade, realizar esse meu desejo. Então, as dificuldades enfrentadas foram superadas com tranquilidade”, afirma.

*Com a orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas