Conheça Vini Boca de 09, o ‘diabo ozado’ em forma de guri que já mandou o corona partir

baianidades
06.04.2020, 06:03:00
Atualizado: 31.07.2020, 16:19:16

Conheça Vini Boca de 09, o ‘diabo ozado’ em forma de guri que já mandou o corona partir

Famosos se rendem ao talento do menino da Saramandaia que viralizou ao enquadrar vírus. Yuri Marçal vai agenciá-lo: 'Vamo comer pão com pão e com o que quiser'

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um menino que completa 12 anos na quarta-feira (8) se transformou num dos principais oponentes do maior mal que o mundo já viu em décadas. Cria da Saramandaia, bairro pobre que fica atrás da Rodoviária de Salvador, o estudante Vinicius Oliveira Santos bateu de frente com o coronavírus num vídeo que viralizou (medo desse termo), divertiu quarentenados, encantou famosos e será usado pelo Google, em breve, numa campanha para manter as pessoas em casa.

Posso garantir que a busca do Google foi certeira, afinal, o papo não podia ser mais reto que nesse vídeo-selfie assistido, só no Instagram, por mais de 700 mil pessoas. “Alô! É o coronavírus? Não, não passe para ninguém não, eu que quero falar com você. Boca de 09. É isso mermo! Ô, coronavírus, eu só vou te pedir uma coisa só: se saia! Se saia do Brasil, se saia! (...) Tem como a senhora se sair, por favor?”, diz em bom baianês o magricela injuriado, sem esquecer da educação que sua mãe lhe deu.

Mainha é a servente Diana Panta, 30 anos, que descobriu os dotes artísticos do filho único de uma forma um tanto assustadora. Há pouco mais de um mês estava ela nos afazeres trampísticos, em um restaurante no Salvador Shopping, quando percebeu o rebuliço de umas colegas assistindo o vídeo do menino ensinando a fazer pão com recheio de pão. Eis a gravação.

"Imagine você tá lá trabalhando e as pessoas começam a dizer 'Diana, Diana, é seu filho'. Eu tomei um susto e pensei 'me lasquei'. Mas depois eu vi e me acalmei”, conta ela, que iniciou na nova função de produtora e conselheira artística assim que voltou do serviço.

E apesar de Vini ser o responsável por todo o conteúdo e veiculação de suas artes na web (já tentou até monetizar), foi justamente Diana quem deu a dica para ele fazer algo relacionado à cocó, dias depois dos primeiros virais.

“Eu falei ‘por que você não fala sobre o coronavírus?’ Aí ele foi lá e fez. Ele perguntou se o primeiro tava bom, eu disse que não tava, porque tinha muita gíria, e ele apagou. Aí fez de novo. Eu falo o que eu acho. E meu critério é 'se me fez rir, também vai fazer mais gente rir’”, explica ela, que desde quinta-feira passada passou a delegar a função de agente do garoto ao humorista carioca Yuri Marçal, um dos famosos que se apaixonaram pelo Boca de 09 assim que os vídeos começaram a pipocar.

“Eu sendo do meio da comédia, tendo uma ligação enorme com Salvador, o pessoal começou a me mandar: 'Yuri, cê já viu esse menino?' Eu comecei a acompanhar e fiz o contato com a mãe dele, porque eu tinha, primeiro, o receio de alguém não ter a visão que eu tava tendo dele. 'Que potencial gigante em tudo. Em várias áreas ele pode brincar e brilhar'. E, segundo, porque eu me identifiquei muito com a história dele, da família, eu falei ‘porra, ele sou eu em 2004’”, disse Marçal à Baianidades, ao explicar a localização e identificação imediata com Vini. 

Vini e seu famoso pão com pão; ao lado, pronto para colocar o coronga pra correr (Foto: Reprodução/Instagram)  

Fãs ilustres
E a constelação que se rendeu às gaiatices e bordões de Vini – desde o “pão com pão”, “filma aí, bota no zap” e “diabo tá ozado” (inspirados no influencer baiano Franklin Reis) até o já consagrado “elas que lutem” – é bem extensa e com estrelas de primeira grandeza. A começar pela cantora Iza e pelo DJ Alok, dois dos primeiros a se declararem fãs do baianinho.

Pelas redes sociais, os também cantores Márcio Victor e Devinho Novaes foram outros que mandaram parabéns e palavras de incentivo, além de Pedro Sampaio, que dedicou mais gargalhadas e mensagens de apoio. 

As atrizes Alice Wegmann e Fernanda Paes Leme mandaram um salve, assim como Dan Ferreira, Danilo Mesquita, Jonathan Azevedo e Thiago Almasy, outros atores que já curtem e até compartilham coisas de Vini. O humorista Murilo Couto também aprovou e citou o menino como um dos alentos da quarentena. Veja.

Já rolou também convite de passeio, vindo da jogadora do Inter-RS e da Seleção, Fabi Simões, que assim que passar essa agonia vai receber Vini na sua mansão em Barra do Jacuípe.

Teve incentivo também de Fernanda Souza, Teresa Cristina, Paula Lima, Astrid Fontenele, Luiza Brunet, Jenifer Nascimento, mas as fãs ilustres mais empolgadas parecem ser mesmo a cantora Preta Gil e a jornalista Maíra Azevedo, a Tia Má, que planejam até um presente de aniversário pro moço em reconhecimento aos serviços de alegria prestados em tempos tão desalentadores.

Mas, digaí, Vini, qual foi o famoso que você ficou mais feliz de saber que também te curte? “Eu gosto de todos, mas o que eu mais gostei (de receber mensagem) foi Dum”, conta ele, se referindo ao influencer baiano Dum Ice – parceiro de Franklin, aquele que inspirou as primeiras papagaiadas.

“Eu todos os dias assistia os vídeos que ele (Franklin) fazia. Aí eu tive a ideia (de fazer o vídeo do ‘pão com pão’) e um dia, assim que eu acordei, gravei”, resume o Boca de 09, que também teve o prazer de fazer um remake com o próprio Franklin, em sua casa. Olha só.

A ideia de partir pro Insta só veio depois que viu alguns perfis tentando se aproveitar de sua fama.

“Não tinha a ideia de fazer o Instagram. Eu fiz o vídeo e botei no WhatsApp. Aí daqui a pouco já tava no Instagram (em perfis fakes). Botaram lá, aí eu fui e fiz o meu”, revela o garoto, que quase todo dia é obrigado a fazer campanha para derrubar novos perfis parasitas. 

Tempos presentes
Enquanto aguarda os presentes de Preta e Tia Má, Diana lembra que a brincadeira toda começou, justamente, com um presente que o Boca de 09 ganhou no início do ano. 

“O celular dele quebrou. Meu pai falou que eu podia comprar o celular que ele pagava, e eu comprei um Samsung S5, mais barato”, relembra Diana, que passou a barrar alguns tipos de mimos que se tornaram comuns depois que o “pão com pão” viralizou e Vini do 0800 (nem ele sabe explicar o porquê desse 0800) passou dos 300 mil seguidores.

“Ele já ganhou roupa, e o povo sempre manda pizza e hambúrguer. É o que mais mandam. Mas Vinicius tem baixa imunidade, e eu passei a não aceitar mais. Ele tem que comer verdura, essas coisas”, explica a mãe, admitindo que o menino, apesar do pouco peso, é comilão. 

“Mas ele é obediente. Não está saindo de casa nesses tempos. (...) E é um menino esforçado, sim”, revela Diana sobre o ilustre estudante do 6º ano da Escola Estadual Professora Mariinha Tavares, em Pernambués, que nas horas vagas dá entrevista para canais de televisão, joga Free Fire com os amigos (virtuais) e torce pelo Flamengo. Bahia e Vitória que lutem.

Em família
Mãe solo, Diana tem a ajuda da mãe, a diarista Solidalva da Cruz, 51, e das irmãs, as estudantes Diná, 15, e Diane, 21, para educar e cuidar de Vini numa casa humilde, de oito cômodos, com alguns rebocos a serem preenchidos.

À frente, Diane, tia de Vini; no sofá, a avó Solidalva, a outra tia, Diná, e a mãe, Diana (Foto: Acervo pessoal)

O homenzinho da casa (vó Solidalva também é mãe solo) é fruto de um breve romance de Diana com um quase vizinho, que sempre soube da existência do garoto, mas só agora parece querer se aproximar. 

“Eu tinha 18 anos. Só fiz Vinicius, só. (...) Ele mora aqui embaixo, mas nunca procurou Vinicius. Agora que procurou porque tá fazendo sucesso. Quer levar o menino pra igreja. Até pensão quer dar”, comenta ela, com certo bom humor.

E já que painho finalmente passou a pensar no futuro do guri, é bom saber se o novo agente/empresário também tem bons planos para nosso Boca de 09. O que vem por aí, Yuri Marçal? “Eu quero trazer ele para nosso universo mainstream. Da coisa da comédia, da publicidade, e fazer de fato a família ganhar dinheiro com o talento e a arte dele, que é o que eu tenho feito desde que entrei nesse mundo da comédia. E ir lapidando, aperfeiçoando, estudando e aprendendo com ele. (...) Vamo comer pão com pão e com o que a gente quiser”, adianta o humorista, que já filmou, botou no zap e agora vai tornar Vini cada vez mais ousado.

Se saia, corona, enquanto é tempo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas