Conselho de quem já sofreu com o sol não deve ser desperdiçado

Maratona de Salvador
17.10.2017, 10:01:00
Atualizado: 30.01.2019, 14:24:26
(Shutterstock)

Conselho de quem já sofreu com o sol não deve ser desperdiçado

Cuidados com a pele e os olhos são fundamentais para manter a saúde

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Vira e mexe eu escorrego na disciplina e saio sem protetor ou óculos de sol. E como sou desprovida de melanina, isso significa ficar com o rosto e braços todos vermelhos e ardidos. Esse sofrimento faz com que eu relembre que não posso descuidar de algo tão importante como a minha pele

Eu não sou o melhor exemplo quando o assunto é proteção solar. Pois é, não falo com orgulho. Quando era mais nova, cansei de ir à praia sem nem um bonezinho para contar história. Já tive experiências bem ruins depois de torrar – literalmente – debaixo do sol. Por isso, desde que comecei a correr, tenho prestado mais atenção quando o assunto é a minha pele. Não dispenso a viseira. Prefiro ela ao boné porque ventila mais e não cria nenhuma barreira na cabeça quando jogo aquela água gelada providencial. Além disso, ela também serve como uma barreira para o suor que escorre da testa e vai em direção ao olho.

Por muito tempo corri sem óculos escuros porque dava preferência aos de grau. Míope desde os três anos de idade, eu até tinha uma armação de sol com lentes de grau, mas só usava em provas. Há um tempo, tenho utilizado lentes de contato durante a corrida, acompanhada dos óculos escuros.

E o protetor fator de proteção 70, presente constante da minha sogra, não pode faltar. Passo bastante no rosto, pescoço, braços, mãos e pernas. Lambuzo a pele sem dó, afinal, não quero um espacinho sequer desprotegido. Algumas vezes, ainda uso calças de corrida ou camisas de manga comprida, que são ótimas opções também.

Vira e mexe eu escorrego na disciplina e saio sem protetor ou óculos de sol. E como sou desprovida de melanina, isso significa ficar com o rosto e braços todos vermelhos e ardidos. Esse sofrimento faz com que eu relembre que não posso descuidar de algo tão importante como a minha pele. Então, dica de quem já sofreu muito com isso: não dê mole com o sol, se proteja porque mais pra frente isso pode causar problemas graves, ainda mais para quem, devido a treinos e provas, se expõe ao sol com muita frequência. Anotado?!

O Estúdio Correio produz conteúdo sob medida para marcas, em diferentes plataformas.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas