Considerado braço direito de Mandetta, secretário pede demissão

coronavírus
15.04.2020, 12:26:21
Wanderson e Mandetta (Agência Brasil)

Considerado braço direito de Mandetta, secretário pede demissão

Em carta, Wanderson de Oliveira disse que a gestão do ministério da Saúde está com os dias contados

Em meio as notícias da possível demissão iminente do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, considerado braço direito de Mandetta, pediu demissão na manhã desta quarta-feira (15). A informação foi divulgada em nota oficial do ministério.

A saída de Wanderson ocorre em meio à pandemia de coronavírus. Ele vinha sendo uma das autoridades do ministério que mais participavam de entrevistas e ações da pasta sobre o enfrentamento ao vírus.

Wanderson, assim como o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é defensor do isolamento como estratégia de contenção do vírus.

Ainda hoje, antes de pedir demissão, Wanderson divulgou uma carta dizendo que a “a gestão Mandetta acabou” e que precisa se “preparar para sair junto”. O comunicado foi enviado nesta quarta-feira (15) a integrantes do Ministério e revelado pela coluna de Mônica Bergamo, na “Folha de S. Paulo”. 

Wanderson Oliveira afirmou ainda que “só Deus para entender o que querem fazer”. 

“Finalmente chegou o momento de despedida. Ontem tive reunião com o ministro e sua saída está programada para as próximas horas ou dias. Infelizmente não temos como precisar o momento exato. Pode ser um anúncio respeitoso diretamente para ele ou pode ser um Twitter. Só Deus para entender o que o querem fazer”, diz o secretário, presença constante nas entrevistas coletivas diárias sobre o coronavírus ao lado do ministro Mandetta. 

“De qualquer forma, a gestão do Mandetta acabou e preciso me preparar para sair junto, pois esse é um cargo eletivo e só estou nele por decisão do Mandetta”, acrescentou Wanderson. 

Segundo a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, outros integrantes do primeiro escalão da Saúde já comunicaram que saem junto com o ministro. 

Nesta quarta-feira (15), a coluna Painel, da Folha de S.Paulo, revelou que o próprio Mandetta já se despediu dos subordinados e disse que aguarda apenas que Bolsonaro encontre um nome para substituí-lo.

Leia a íntegra da mensagem do secretário Wanderson de Oliveira, próximo a Mandetta:

“Bom dia! 

Finalmente chegou o momento da despedida. Ontem tive reunião com o Ministro e sua saída está programada para as próximas horas ou dias. Infelizmente não temos como precisar o momento exato. Pode ser um anúncio respeitoso diretamente para ele ou pode ser um Twitter. Só Deus para entender o que o querem fazer. 

De qualquer forma, a gestão do Mandetta acabou e preciso me preparar para sair junto, pois esse é um cargo eletivo e só estou nele por decisão do Mandetta. No entanto, por conhecer tão profundamente a SVS, tenho certeza que parte do que fizemos na SVS vai continuar, pois é uma secretaria técnica e sempre nos pautamos pela transparência, ética e preceitos constitucionais. 

A maioria da equipe vai permanecer e darão continuidade ao trabalho de excelência que sempre fizeram e para isso não precisam mais de mim. 

Foi uma honra enorme trabalhar mais uma vez com você. Para que não tenhamos solução de continuidade, indiquei o meu amigo querido Gerson Pereira para ficar de Secretário interino. Ele é um Profissional excelente e vai dar seguimento a tudo que estamos fazendo.

Vou entregar o cargo assim que a decisão sobre o Mandetta for resolvida. Todos estão livres para fazer o que desejarem. 

Tenho certeza que a SVS continuará grande e será maior, pois vocês é que fazem ela acontecer. Minhas contribuições foram pontuais e insignificantes, perto do que essa Secretaria é como uma só equipe. A SVS é minha escola e minha gratidão por ter trabalhado com você será eterna. Muito obrigado por me permitir estar Secretário Nacional de Vigilância em Saúde. Jamais imaginei que seria o primeiro enfermeiro a ocupar tão elevado e importante cargo e o primeiro de muitos que virão. 

Muito obrigado!​”

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas