Consumidor baiano está otimista, diz CNC

bahia
21.02.2019, 04:58:00
Guilherme Dietze, assessor econômico da Fecomércio-Ba, Carlos Andrade, presidente da Fecomércio-Ba, Fábio Bentes, assessor econômico da CNC, e Kelsor Fernandes, vice-presidente da Fecomércio-Ba (Divulgação)

Consumidor baiano está otimista, diz CNC


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A intenção de consumos das famílias brasileiras atingiu agora em fevereiro o maior patamar nos últimos quatro anos , com um índice de 98,5%, e já se aproxima da zona de otimismo, de acordo com dados da Confederação Nacional do Comércio (CNC). E aqui na Bahia os dados da Intenção de Consumo das Famílias (ICF) registrou 103,4%, acima da média nacional e já na zona de otimismo, segundo o chefe da divisão econômica da CNC, Fábio Bentes. 

O economista esteve ontem em Salvador, na apresentação das projeções econômicas para o comércio baiano, evento promovido pela Federação do Comércio da Bahia (Fecomércio-Ba). "Nós acreditamos que no cenário nacional, o quadro deverá atingir o nível de otimismo até o final do primeiro semestre deste ano. Na Bahia, as expectativas mais favoráveis se explicam por dois índices, o que mede  as perspectivas profissionais e o de acesso ao crédito", explicou. 

Apesar da recuperação nos dois últimos anos, o varejo nacional ainda está distante do pico de vendas. O volume de vendas registrado em 2018 ficou 12,3% abaixo do patamar anterior à crise, segundo Bentes. Na Bahia, o índice foi 20,5% menor. O cenário se refletiu na perda de 350 mil empregos no setor. "Nos últimos dois anos foram recuperados 100 mil postos de trabalho. Este ano, esperamos a geração de mais 100 mil", projeta. 

Fábio Bentes acredita que a recuperação completa da economia vai depender dos ajustes nas contas públicas, o que passa pela aprovação da Reforma da Previdência. No setor privado, todas as condições para uma retomada mais intensa já estão postas, acredita. "O nosso problema é o setor público. Se o governo não conseguir aprovar a Reforma da Previdência, a única alternativa para fechar suas contas será o aumetno da carga tributária, o que abortaria uma grande retomada", projeta.  


Para o presidente da Fecomércio-Ba, Carlos Andrade, o Brasil vive um momento de grandes expectativas, em que o setor produtivo está disposto a voltar a investir, mas espera uma sinalização do governo. Ele ressaltou a importância do evento para os empresários do comércio. "Para nós empresários é muito importante ter o assessoramento econômico correto para a nossa tomada de decisões", destacou. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas