Coração Partido: vale do pé na bunda é uma escola para você aprender a viver; assista

edgard abbehusen
06.09.2020, 05:00:00
Atualizado: 06.09.2020, 10:23:37

Coração Partido: vale do pé na bunda é uma escola para você aprender a viver; assista

Existe a hora da sofrência e a hora da volta por cima, defende Edgard

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quando perdemos alguém que amamos a tristeza é inevitável. O nosso coração fica em pedaços. E é normal ficar triste. Eu tenho uma amiga que chama essa tristeza de “vale do pé na bunda”. É lá onde, segundo ela, ficam as pessoas que querem apreciar a própria bad. Ativar a aquela tal playlist ‘Coração Partido’. Ficar, talvez, sem comer o prato preferido.

E esse vale do pé na bunda também é uma escola. Quando passamos por experiências assim, vamos nos fortalecendo. Aprendemos que nada em vão. Tiramos lições. Entendemos que merecemos algo melhor ou que precisamos melhorar em alguns muitos pontos.

E uma hora as coisas chegam para o lugar e você percebe que acabar foi a melhor solução, afinal, coisas especiais precisam de espaço para acontecer. Insistir no que já não cabe mais, acaba empatando o rolê do destino.

Por isso o amor é lindo e não é único. Por isso amamos muito de formas diferentes em cada fase da nossa vida. Por isso somos capazes de ter vários amores na nossa vida. Pois somos resiliência e um conjunto de coisas que nos moldam quando rejuntamos o coração partido. O amor é lindo, não machuca ninguém. A carência machuca. Machuca muito. 

Machuca quando permanecemos em uma relação tóxica. Machuca quando, por medo de ser só, aceitamos qualquer coisa. Machuca quando queremos ficar muito tempo no vale do pé na bunda lamentando por uma história que acabou. ACABOU. Pronto. Curta o seu luto, sua playlist sofrência e não tenha dúvidas: VAI PASSAR. 

Um dia você acorda e percebe que é a hora de aceitar que existe um caminho. Vários caminhos. E você pode pegar a rota da sua felicidade quando quiser. Basta levantar-se desse vale do pé na bunda, sacudir a poeira e iniciar a sua volta por cima. Pode ser agora, se quiser. Já foi? Tem muita felicidade te esperando, viu?

*Edgard Abbehusen é escritor, compositor, redator, baiano, criador de conteúdo afetivo e  autor de livros; Ele escreve textos exclusivos aos domingos no site do CORREIO. Acompanhe Edgard no Twitter e Instagram

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas