Corregedoria-geral da SSP inicia apuração da morte de delegado por PMs

bahia
30.04.2019, 18:15:00
Atualizado: 30.04.2019, 18:18:07

Corregedoria-geral da SSP inicia apuração da morte de delegado por PMs

Secretaria se juntará à 6ª Coorpin de Itabuna na investigação

O Correio oferece acesso livre a todas as notícias relacionadas ao coronavírus. Entendemos que informação séria e confiável é importante nesse momento. Colabore para que isso continue. Assine o Correio.


Delegado foi morto em Itabuna (Foto: Reprodução)

A Corregedoria-geral da Secretaria de Segurança Pública (SSP) também fará parte da investigação da morte do delegado José Carlos Mastique de Castro Filho, de 55 anos. Ele foi assassinado a tiros por policiais militares na madrugada deste domingo (28), na cidade de Itabuna, no sul da Bahia.

O CORREIO conversou com o secretário da SSP, Maurício Barbosa, na manhã desta segunda, durante uma homenagem da PM a Tiradentes. Ele explicou como será a logístico das investigações.

“A investigação é realizada por policiais de lá (Itabuna), mas com o apoio de nossa corregedoria daqui. Tudo será acompanhado pela corregedoria-geral", explicou ele, sem querer dar detalhes do que já foi levantado durante as investigações. "Pedi que preparasse tudo para, depois, divulgar. É uma situação sensível, envolvendo a morte de um delegado com policiais militares. Não temos como passar informação antes de concluir o inquérito", acrescentou.

Além da secretaria, o caso também tem investigação da 6ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin) de Itabuna e que tem como responsável o delegado André Aragão. Como já estava previsto, nesta terça-feira (30), foram ouvidas duas testemunhas do caso, que não tiveram suas identidades reveladas.

Questionado em relação à afirmação do Sindicato dos Policiais Civis da Bahia (Sindpoc) de que o delegado José Carlos teria sido baleado no peito ao tentar entregar a arma dele para os PMs, durante a abordagem, o secretário respondeu que “prefere aguardar todas as apurações e oitivas para emitir juízo de valor, já que está tudo sendo devidamente apurado”.

O CORREIO também conversou com o comandante-geral da PM Anselmo Vasconcelos, que lamentou o ocorrido. “São episódios que a gente não gostaria que acontecesse, principalmente quando envolve duas instituições tão amigas. Temos uma relação muito forte com a Polícia Civil”.

Sobre a investigação, assim como o secretário Maurício Barbosa, Vasconcelos preferiu não se manifestar. “O secretário de Segurança Pública colocou um delegado para acompanhar, temos um coronel acompanhando. Acredito que em breve teremos um desfecho, porque existem muitas situações que precisam ser esclarecidas, como a localização, a questão das imagens, como aconteceu, ouvir testemunhas. Então, qualquer julgamento é precipitado”, avaliou.

O delegado André Aragão também foi contactado pelo CORREIO, mas informou que não está autorizado a divulgar informações sobre o caso. 

O corpo do delegado José Carlos foi enterrado nesta segunda (29). Ele estava há 15 anos na Polícia Civil e era lotado na 13ª Delegacia Territorial (Cajazeiras), em Salvador. O policial era casado e deixa um filho.

Corpo do delegado foi enterrado nesta segunda-feira (29) (Foto: Sindipoc)

Relembre o caso
A morte do delegado ocorreu num posto de combustível, no bairro Jardim Vitória, onde Mastique tinha ido para defender uma mulher vítima de violência por um suposto policial militar à paisana, de acordo com o Sindpoc. A mulher seria namorada do policial militar.

A versão do Sindpoc para o crime narra que o delegado, que estava com uma mulher e um investigador da Civil, identificado como Figueiredo, da delegacia de Cajazeiras, tinha ido ao posto para comprar cigarros e viu as agressões.

Durante a confusão, o delegado teria notado que havia cinco pessoas e que o agressor era um policial militar. O próprio Mastique ligou para a Central da PM para pedir reforço e, segundo o Sindpoc, avisou que havia policiais civis no local.

Ao chegar, os policiais do 15º Batalhão de Polícia Militar (BPM) abordaram o delegado e o investigador já na avenida em frente ao posto e mandaram que eles se deitassem no chão. O delegado se recusou a obedecer e mostrou sua identificação.

Ainda segundo o sindicato, os policiais militares pegaram a arma que estava na cintura do delegado, que informou que ainda tinha outra arma na cintura, nas costas. Ao pegar a outra arma para entregar aos PMs, ele levou um tiro no peito.

“Foi um assassinato”, disse o presidente do Sindpoc Eustácio Lopes. De acordo com ele, “a PM está soltando várias versões para confundir a população e não expor essa situação de um policial militar agredir a própria mulher”.

Outra versão
A versão do 15º BPM é bem diferente da do Sindpoc. Segundo o batalhão, antes do crime, o delegado estava com o carro estacionado no Posto Jequitibá. Um morador que passou pelo local, por volta das 4h, estranhou o carro parado e viu que havia um homem armado no veículo.

A testemunha teria entrado em contato com a PM informando que suspeitava de que ocorreria um assalto no posto. A PM informou que esteve no local, notou que o suspeito estava “alterado” e que sacou a arma, sem se identificar como delegado. Foi quando ele teria levado o tiro no peito.

O CORREIO tentou apurar junto à Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) de Itabuna se havia queixa de vítima que tinha como agressor um policial militar, mas foi informado que não seria possível averiguar essa informação.

A Secretaria da Segurança Pública da Bahia informou que “determinou apuração rigorosa da ocorrência envolvendo uma guarnição do 15° BPM (Itabuna) e o delegado José Carlos Mastique de Castro Filho”.

A versão da SSP para o fato permanece a mesma da PM, de que os policiais militares “apuravam uma denúncia de roubo”. 

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cronista-da-velha-sao-salvador-riachao-imprimiu-marca-pessoal-no-samba/
Cantor e compositor morreu na madrugada de segunda-feira (30), aos 98 anos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/com-musica-dedicada-a-babu-baco-exu-do-blues-lanca-novo-album/
Com 9 músicas, incluindo faixas com críticas a Bolsonaro, EP foi disponibilizado nesta segunda-feira (30)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/itau-cultural-lanca-webserie-gratuita-sobre-preconceito-violencia-e-desigualdade/
Nos primeiros episódios, Novo Mundo traz depoimentos de pastores evangélicos e é opção de reflexão nos dias de quarentena
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/salvador-unida-das-janelas-moradores-cantam-parabens-para-salvador/
O CORREIO convidou e soteropolitanos confinados aderiram ao aniversário coletivo de 471 anos da capital
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/gusttavo-lima-quebra-recorde-do-youtube-com-live-direto-de-sua-casa/
Foram 5h de show, 750 mil acessos simultâneos e 10 milhões de visualizações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/coronavirus-sindico-instala-pia-na-entrada-de-predio-para-ajudar-vizinhos-idosos/
Espanhol radicado na Bahia decidiu ajudar na higiene no prédio que é síndico em Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/a-fe-nao-costuma-faia-como-manter-a-religiao-em-isolamento/
O amparo na religiosidade é a salvação para muitos soteropolitanos; tecnologia é aliada
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/janelas-da-quarentena-do-dj-ao-saxofone-vizinhos-transformam-isolamento-em-uniao/
Baiano é outro nível... Nos últimos dias, movimento tomou conta de Salvador: tem até Carnaval dentro de casa; confira
Ler Mais