Covid-19: o vírus da globalização

artigo
07.04.2020, 09:07:27
Atualizado: 07.04.2020, 10:01:29

Covid-19: o vírus da globalização


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


A covid-19 poderia ser chamado o Vírus da Globalização. As regiões predominantemente afetadas são aquelas mais globalizadas, marcadas por intenso contato com o âmbito externo, como o eixo Ásia-EUA-Europa. Dentre estes, alguns países conseguiram controlar o avanço do contágio mais do que outros.

Por atingir o centro da economia global, a covid-19 recebeu significativa atenção. O G-20, clube das economias avançadas, se reuniu para decidir a injeção de cerca de 5 trilhões de dólares devido aos efeitos econômicos do lockdown da economia global. Entretanto, é importante frisar que a política internacional já vinha experimentando maior tensionamento do que há duas décadas. Fazem dois anos e meio que uma guerra comercial entre EUA e China se desenvolve. Em 2020, houve também a concretização do Brexit, saída do Reino Unido da União Europeia, processo iniciado em 2016.

Os conflitos vêm sendo intensificados no Oriente Médio desde a Primavera Árabe, em 2010. Instabilidade política e institucional, seguida de manifestações sociais, também é registrada na América Latina, desde 2013. Momentos antes da quarentena nos atingir, presenciamos queda global das bolsas com a desvalorização do petróleo. 

A covid-19 seria, então, a consolidação do fim do mundo globalizado, tal como conhecemos desde o fim da Guerra Fria no início dos anos 1990? Ainda é cedo para afirmar. Como em 1929, é um momento de crise profunda e estrutural. Nas crises, as fragilidades são expostas e as potencialidades testadas. É assim com um indivíduo, uma família, uma empresa e com um país. Há disputa pelas melhores soluções para superá-las. Surge espaço para reacomodação de novas lideranças.  A crise pandêmica que vivemos não se resume à própria contaminação, mas à forma de como se equilibra a balança de poder global. 

A pandemia acentuou um problema de saturação econômica que tinha duas correntes em disputa para superá-la.  A primeira, liderada por Trump, é uma perspectiva mais conservadora e isolacionista. Os EUA se retiram da posição de avalista de organizações internacionais como a OMC e a própria ONU, em coerência ao slogan do presidente, “América Primeiro”. A outra linha, mais próxima aos Democratas estadunidenses e à União Europeia, seria mais liberal em prol da integração e interdependência econômica, ou seja, da globalização.

Estas são linhas que polarizam hoje o Ocidente, onde o consenso da era de ouro da globalização já não existe mais. A China, com a maior população do mundo e de cultura milenar regida por um governo de único partido, surfou na onda liberal dos anos 1990. Aproveitou da melhor forma a integração econômica e vem reduzindo, relativamente, o poder tanto dos EUA quanto da Europa. A linha que os EUA adotarão para os próximos quatro anos será definida nas eleições em novembro. Daqui até lá, o mundo está de quarentena.


Henrique Campos de Oliveira é professor dos cursos de Relações Internacionais, Logística e Economia da Unifacs.

Opiniões e conceitos expressos nos artigos são de responsabilidade dos autores


 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/em-audio-neymar-xinga-padrasto-e-parca-sugere-enfiar-o-cabo-de-vassoura/
Papo revela comentários homofóbicos de jogador e preocupação com namoro da mãe, que teria sofrido tentativa de agressão de Tiago Ramos; Nadine nega
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/patroa-ajudou-crianca-que-caiu-de-predio-a-entrar-no-elevador/
Miguel, de 5 anos, morreu; petição que pede justiça tem mais de 77 mil assinaturas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/morre-aos-85-anos-atriz-maria-alice-vergueiro-do-meme-tapa-na-pantera/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/manifestantes-ateiam-fogo-em-onibus-na-paralela-veja-video/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rodamos-na-nova-versao-da-ranger-a-storm/
Em vídeo, jornalista automotivo analisa a cabine dupla diesel
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-de-81-anos-e-o-100o-paciente-com-covid-19-a-ter-alta-no-hospital-portugues/
Unidade comemorou liberação do homem, que deu entrada há seis dias com 50% do pulmão comprometido
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-um-susto-targino-se-prepara-para-cantar/
Músico sofreu grave acidente de carro, mas escapou ileso e agora se prepara para fazer lives
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sao-joao-sera-comemorado-com-maratona-de-lives-promovidas-pelo-correio/
Serão seis apresentações de bandas e cantores durante o projeto, que arrecadará doações
Ler Mais