Cruz das Almas tem terceiro envolvido em esquema criminoso de postos de saúde

bahia
14.09.2021, 17:51:00
Atualizado: 14.09.2021, 17:51:03
Diego Villalobos Bibiano foi identificado pela família da paciente por ter usado CRM de outro médico (Reprodução/Redes Sociais)

Cruz das Almas tem terceiro envolvido em esquema criminoso de postos de saúde

Secretaria de saúde reafirma suspeita de quadrilha; MP e Polícia Civil investigam casos

Um terceiro caso de “falso médico” é registrado em Cruz das Almas, na região do Recôncavo da Bahia. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), instalada pela Câmara Municipal de Cruz das Almas, descobriu um segundo atestado de óbito, de uma moradora que morreu no dia 29 de março de 2021, assinado por um profissional que nunca prestou atendimento à cidade. A paciente, que não teve o nome divulgado, foi atendida na Unidade de Pronto Atendimento (Upa) do município.

De acordo com o presidente da CPI, o vereador Paulo Sérgio Oliveira, a assinatura que consta no documento é do médico Dr. Diego Araújo Paternostro, CRM 28.346. Contudo, ele informou à CPI nunca ter trabalhado em Cruz das Almas. Isso significa que alguma pessoa usou os dados e se passou por ele.

Através das redes sociais, os vereadores encontraram fotos dos dois médicos envolvidos no caso - Paternostro, de quem o CRM aparece no atestado; e a do outro médico, que teria atendido a paciente e assinado o documento.

Leia mais: Esquema de falsos médicos na Bahia teve morte, plantão ilegal e registro fake

As fotos foram apresentadas aos familiares da paciente, que apontaram Diego Villa Lobos Bibiano como o funcionário que teria realizado o atendimento naquele dia. “A CPI constatou mais um óbito cujo atendimento foi realizado por um falso médico, desta vez ocorrido na UPA. A CPI enviou convocação a Diego Araújo Paternostro para ser ouvido nesta comissão, cujos documentos ajuntados serão encaminhados ao Ministério Público”, explica a Câmara Municipal, em nota oficial. 

Médico Diego Paternostro teve CRM usado por outra pessoa. Ele diz nunca ter trabalhado para a prefeitura de Cruz das Almas. Crédito: Reprodução/Cremeb.

O presidente da CPI, Paulo Oliveira, diz que as especulações são de que o médico que usou a identidade de Diego Paternostro é da Bolívia. Na conta do Facebook de Villalobos, ele informa que se formou na Universidad Udabol, na cidade de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. Ele também relata morar em Brasiléia, município do Acre que faz fronteira com o país boliviano. 

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde disse que já havia identificado o terceiro caso no município e que realizou denúncia à Polícia Civil, “inclusive encaminhando fotos do falso médico, Diego Villalobos Bibiano”. Porém, para “não atrapalhar as investigações dos órgãos competentes, a gestão optou por não divulgar o caso”. 

A pasta salientou que existem, pelo menos, mais dois casos sendo investigados. “A suspeita é de que se trata de uma quadrilha que estava atuando em Cruz das Almas e possivelmente em outros municípios da região, desde o ano 2020”, ratifica. 

Na tréplica, a Câmara recriminou a atitude da prefeitura em não notificar o fato. “Comprova que a atual gestão da Prefeitura não quer colaborar com a população, porque a CPI solicitou documentos e informações e a gestão da Secretaria Municipal de Saúde não respondeu e não entregou os documentos, só se manifestou depois que colocamos a público a situação”, critica o órgão.  

A CPI investiga rasuras no cartão de vacinação, troca de vacinas e um óbito ocorrido dia 05 de abril de 2021 no Pronto Atendimento à Covid, sob suspeita de indícios de erro médico. 

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) disse que não recebeu denúncia de um terceiro caso. Somente dois estão sendo investigados, o de Diego VillaLobos e da suposta médica que teria usado o CRM de Alana Maria Sena Ferreira.

A Polícia Civil informou que, no dia 2 de setembro, foi acrescentado ao inquérito policial um terceiro caso no município de Cruz das Almas. O inquérito foi instaurado no dia 27 de agosto e apura os crimes de falsidade ideológica e uso de documento falso.

"A Delegacia Territorial tem realizado oitivas e outras diligências investigativas para chegar à responsabilidade criminal, tendo avançado significantemente nas apurações ao longo dos últimos dias. Mais detalhes não estão sendo divulgados para não atrapalhar as investigações", comunicou a Polícia. 

*Sob orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas