Daniela lança disco, canta com Gerônimo e faz homenagens no Virada Salvador

salvador
01.01.2020, 22:13:47
(Tiago Caldas/CORREIO)

Daniela lança disco, canta com Gerônimo e faz homenagens no Virada Salvador

Ao som de Pantera Negra Deusa, Daniela começou o show cantando o Ilê

O título de rainha não é por um acaso. Seja do axé, da diversidade ou da ‘balbúrdia’, Daniela Mercury representa. No último dia de Festival Virada Salvador na arena que leva o seu nome, a cantora comandou mais uma edição do Por do Som, em um show que homenageou os 35 anos do Axé, 70 do trio elétrico e o lançamento do seu novo álbum, Perfume, que chega as plataformas de música no dia 10 de janeiro. 

“Vou celebrar tudo isso no mesmo show para que a gente tenha em 2020, mais força ainda para seguir. Minha arte traz isso. Sempre dando mensagens de reforço para a gente falar do orgulho de ser o que é. Meu axé tem esse caminho afirmativo. Cada atitude é um reforço político”, disse antes de convidar seus súditos a entrarem 2020 com o pé direito. 

Ao som de Pantera Negra Deusa, Daniela começou o show cantando o Ilê. No repertório teve também sucessos que marcaram vários carnavais da rainha como ‘Rapunzel’, ‘Maimbê’ e ‘Swing da Cor’. “Eu canto hoje aqui a minha trajetória. É tudo que eu aprendi fazer e amo fazer na vida. Realmente, a alegria é uma revolução”, completou. 

E é essa mensagem que contagia fãs como a doméstica Jivânia Soares, de 42 anos, que acompanha a artista com o maior carinho desde quando Daniela cantava samba-reggae na banda Companhia Clic, lá nos tempos de ‘Pega Que Oh!’. 

“Eu cantava as musicas de Daniela para ninar meu filho, que hoje tem 26 anos. Ela respeita a diversidade como nenhuma outra cantora”. A psicóloga Jamile Conceição, de 25 anos, é mais uma seguidora fiel de Daniela: “Ela é foda. Toca o que você quer ouvir é a voz das mulheres. É o espetáculo inteiro”, disse. 

(Foto: Priscila Natividade/CORREIO)

Já antecipando o que vai ser o Carnaval da Rainha, a cantora trouxe ainda para o show, a versão com a batida do Olodum de Imagine, de John Lennon, além de encher a Arena com ‘Confete e Serpentina’, aposta de Daniela para a folia deste ano. “São músicas que dão ideia do que eu quero dizer nesse momento. E estas mensagens são muito claras”, destacou. 

Encontros
A chuva caía de mansinho, quando Daniela dividiu o palco o cantor Gerônimo em É D’Oxum e ‘Lambada da Delícia’, relembrando os tempos de quando a artista era backing vocal do cantor. “Eu me sinto muito orgulhoso de fazer parte da vida dessa moça e agora estou feliz  e aqui comemorando isso com ela. Daniela faz tudo que faz com perfeição. Ela não deixa muito, nem pouco, faz o exato”, afirmou Gerônimo. 

Em quase 2h30 de show, Daniela Mercury mostrou por mais um ano porque o canto da cidade é dela e a arena, também: “Fico muito lisonjeada com toda essa homenagem. Sou mais uma das artistas que passem esse festival com amor e entrega total. E se a gente precisa ser resistência, a gente vai ser sempre”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas