Davi Fiuza: MP tem até dia 18 para denunciar ou não os 17 PMs

salvador
09.08.2018, 14:50:00
Atualizado: 09.08.2018, 16:09:49

Davi Fiuza: MP tem até dia 18 para denunciar ou não os 17 PMs

Promotoria tem prazo de 30 dias para se manifestar

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) tem até o dia 18 de agosto para denunciar ou não os 17 policiais militares indiciados pela morte do Davi Fiúza, desaparecido numa operação policial no bairro de São Cristóvão em 2014. A informação foi passada ao CORREIO pelo advogado assistente de acusação junto ao (MP-BA) Paulo Kleber Carvalho Filho.

Segundo Paulo Kleber, a promotora recebeu há duas semanas o inquérito do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que indiciou dois tenentes, dois sargentos e 13 soldados-alunos – os tenentes e os sargentos faziam parte do grupo de instrutores de uma operação para formação de policiais iniciados. 

O CORREIO procurou o MP-BA e aguarda um posicionamento. Até agora os nomes dos policiais indiciados não foram revelados porque o processo tramita em segredo de Justiça.

Os 17 PMs respondem por homicídio qualificado. As qualificadoras são os crimes de ocultação de cadáver e concurso de agentes, que pode ser definido como a concorrência de duas ou mais pessoas para o cometimento de um ilícito penal. 

O inquérito contém 12 volumes e pretende explicar o que, de fato, ocorreu com Davi Fiuza, de acordo com as investigações. A Anistia Internacional pediu agilidade ao MP-BA para que os 17 PMs sejam denunciados à Justiça.

Rapto
Os policiais indiciados faziam uma operação final para obtenção do diploma de soldado, na manhã de 24 de outubro de 2014, quando, segundo o inquérito, abordaram o garoto na Rua São Jorge, na localidade de Vila Verde, e o raptaram.

Em abril de 2016, 23 PMs chegaram a ser indiciados pela morte de Davi Fiúza, além dos crimes de ocultação de cadáver e formação de quadrilha – que consiste na associação de três ou mais pessoas que se dedicam a cometer um ou mais delitos.

Luta
O luto pela perda de um filho transformado em luta contra a perpetuação de uma cultura de violência. Assim a mãe de Davi, a dona de casa Rute Fiuza encara sua missão de vida, hoje.  “Eu jamais conseguiria ficar calada. Não tive filho para o Estado matar”, disse ela ao CORREIO.

Davi tinha 16 anos quando desapareceu (Foto: Rute Fiúza/Arquivo Pessoal)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas