Defensor de Direitos Humanos, brasileiro é acusado de estupro nos EUA

brasil
06.04.2017, 09:17:00
Atualizado: 06.04.2017, 10:16:17

Defensor de Direitos Humanos, brasileiro é acusado de estupro nos EUA

Rafael Schincariol foi detido na semana passada sob a acusação de ter estuprado uma universitária embriagada, após dar palestra na Universidade Tulane

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Especialista em Direitos Humanos e ex-coordenador-geral da Comissão de Mortos e Desaparecidos da Presidência da República, o brasileiro Rafael Schincariol foi detido nos Estados Unidos na semana passada sob a acusação de ter estuprado uma universitária embriagada, após dar palestra na Universidade Tulane, na Louisiana.

Libertado sob o pagamento de fiança de US$ 25 mil (cerca de R$ 78 mil), ele terá nova audiência no fim de abril. O caso está em estágio preliminar e a Justiça local ainda precisa decidir se aceitará ou não a acusação contra ele, o que deve ocorrer em 29 de maio. Schincariol, de 34 anos, é acusado de estupro de terceiro grau, cuja pena máxima é de 25 anos de prisão.

Seu advogado, Rodrigo Lentz, diz que Schincariol é inocente. "Ele cooperou com as autoridades em New Orleans durante todo o processo e a denúncia está sendo revisada conforme o devido processo legal", disse, em nota enviada ao Estado. 

Segundo a defesa, após a revisão da denúncia, Rafael "será rapidamente liberado" e ficará provado que não cometeu ato ilegal. "É relevante destacar que ele é presumido inocente e espera que este episódio seja superado o quanto antes".

Rafael Schincariol, 34 anos, foi libertado após pagamento de fiança de cerca de R$ 78 mil
e terá nova audiência ainda este mês
(Foto: Divulgação)

Em 10 de fevereiro, ele participou de evento na universidade, em que falou sobre movimentos sociais no Brasil. Schincariol, diz o registro policial, jantou com a estudante, que estava acompanhada de duas amigas. Mais tarde, passaram por quatro bares da Frenchmen Street, uma das mais movimentadas da noite de New Orleans.

A estudante disse à policia que havia bebido muito e não estava em condições de dirigir. Segundo ela, Schincariol ofereceu carona e a levou para casa após deixar suas amigas. O relatório registra que às 2h30 ela enviou mensagem ao namorado, dizendo que um palestrante do evento a levaria para casa.

Em razão da bebida, a estudante disse que sua memória do que ocorreu é vaga, mas que se lembra de estar no chão de sua sala e sentir muita dor em razão de penetração anal praticada por Schincariol. 

A polícia estima que a suposta violação ocorreu por volta de 3 horas. Às 6 horas, o namorado da vítima chegou e viu Schincariol fazendo sexo com ela. Segundo seu relato, a jovem estava "atordoada e embriagada" e não respondeu imediatamente quando ele se dirigiu a ela. Aos investigadores, ela disse lembrar dos gritos do namorado.

Schincariol vive em Washington e foi preso quando foi à audiência do caso. O juiz que definiu a fiança permitiu que ele deixasse o Estado da Louisiana. 

A universidade disse que o incidente ocorreu fora do câmpus e foi informado ao Departamento de Polícia de New Orleans pelo setor dedicado a violações sexuais. O Estado não conseguiu contato com a autora da denúncia, que não teve o nome divulgado. O Consulado do Brasil acompanha o caso. 

Lei
O Código Penal da Louisiana diz que há estupro de terceiro grau quando a vítima está impossibilitada de resistir ou entender a natureza do ato por estar inconsciente ou em estado mental alterado por substâncias tóxicas. Segundo a lei, o autor do crime deve estar ciente da incapacidade da vítima. Casos de sexo sob embriaguez estão no centro de um debate nas universidades americanas sobre a linha divisória entre sexo consentido e estupro. 


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas