Defesa tricolor piora no 2º turno e time fica mais distante do G6

e.c. bahia
28.10.2019, 05:00:00
Atualizado: 28.10.2019, 15:48:56
Lucas Fonseca e Juninho formam a dupla de zaga titular do Bahia no Brasileirão da Série A (Felipe Oliveira/EC Bahia)

Defesa tricolor piora no 2º turno e time fica mais distante do G6

Bahia levou 11 gols em nove jogos na segunda metade da Série A

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A defesa é o ponto de equilíbrio do Bahia no Brasileirão. Sólido defensivamente, o tricolor não sofreu gols em 14 dos 28 jogos que fez no Campeonato Brasileiro. Mas, nas últimas partidas, o que eram elogios viraram críticas. 

Desde que o segundo turno começou, o Bahia foi vazado 11 vezes em nove jogos. Para se ter uma ideia, em todo o primeiro turno o tricolor sofreu apenas 16 gols em 19 partidas. A média de gols sofridos por jogo do Esquadrão pulou de 0,84 na primeira metade da Série A para 1,22 por partida nesta segunda parte. 

No total, os números da defesa ainda são bons, com média de 0,96 gols sofridos por jogo no Brasileiro, mas o sinal de alerta está mais do que ligado no Fazendão.

“Temos que agora colocar a cabeça no lugar e recuperar as nossas forças, a nossa confiança de antes. Temos que voltar a desempenhar o melhor futebol que vínhamos apresentando. Voltar a ter a consistência defensiva que nos trouxe até aqui, a competitividade alta durante toda a partida e a competência lá na frente. Ou seja, temos que voltar a ser o Bahia que encantou o Brasil”, analisou o goleiro Douglas, um dos destaques do clube na Série A.

Pontos perdidos em casa
O momento de declínio defensivo do Bahia coincide com o período de oscilação que o tricolor vem tendo no Brasileirão. Dos últimos 12 pontos que disputou em casa, o Esquadrão conquistou apenas um, no empate de 0x0 com o São Paulo. Perdeu para Athletico-PR, Ceará e Internacional.

Além disso, o Bahia já igualou no segundo turno a quantidade de gols que sofreu em casa durante todo o primeiro turno: sete. Contra o Internacional, a equipe levou três gols pela terceira vez nesta Série A. Antes disso, a defesa só havia tomado mais de dois nas derrotas para o próprio Inter, por 3x1, no Beira-Rio, e para o Botafogo, por 3x2, no Engenhão, ambas no primeiro turno. 

“Uma defesa que vinha sem sofrer gols e acaba... Foi justamente contra o Inter o outro momento que tomamos três gols. Nosso time não costuma sofrer gols, tanto que tivemos 14 jogos sem ser vazados. A gente não pode esconder a má atuação. Muitos erros individuais. Trabalhar para corrigir, mas não tirar nossa confiança, que é o que vai fazer a diferença. Não podemos dar um passo atrás nem jogar a desconfiança do estádio contra a gente, como foi no começo, quando cheguei”, analisou Roger, no cargo desde abril.

O treinador mantém a confiança de que o time pode buscar uma vaga na Libertadores. “O campeonato ainda está muito aberto para a gente. Esse bloco de seis jogos está se mostrando muito ou tão difícil quanto foi no primeiro turno. Nesse bloco fizemos seis pontos. Agora temos quatro jogos e uma vitória só nesse bloco. Isso a gente tem que avaliar. Não podemos tirar a motivação desse grupo de jogadores que estão no seu limite. Limite da capacidade, da treinabilidade. O que vai fazer a diferença é ter a cabeça boa para jogar”, continuou Roger.

O Bahia tem um novo desafio na quinta-feira (31), às 19h15, quando visita o Santos, na Vila Belmiro. O tricolor terá o retorno do atacante Élber.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas