Deixa ela torcer

rafael santana
29.05.2019, 05:00:00

Deixa ela torcer

O estádio de futebol é lugar de todos. E todas. Qualquer pessoa precisa ter garantido o seu direito de berrar, de xingar e de ir e vir sem ser incomodada, desde que respeitado o espaço do outro. Assim deveria ser. Mas não é. Para mulheres que frequentam as arquibancadas no Brasil, além de torcer, é preciso conjugar o verbo lutar. A luta contra o machismo é diária.

Há cerca de três semanas, repercutiu nas redes sociais o relato de uma torcedora, Maria Ribeiro, sobre um episódio de assédio sofrido pelo grupo Tricoloucas no triunfo sobre o Avaí, pelo Campeonato Brasileiro, na Arena Fonte Nova. O Bahia só voltou a jogar em Salvador no último fim de semana e aproveitou a oportunidade para reforçar a importância do combate ao machismo.

Além de ações antes e durante a partida contra o Fluminense, como panfletagem e mensagem no telão do estádio, o clube lançou um site que contabiliza casos de assédio e oferece canais de denúncia. O portal leva o mesmo nome da campanha: #Medeixetorcer.

Mulheres que vão ao estádio sofrem com o assédio o tempo inteiro. Como na vida. O futebol é como se fosse uma pequena representação da sociedade. O que aconteceu no jogo contra o Avaí foi além da “piadinha” que, de tão frequente, parece comum. Foi tão surreal que um sujeito teve o destempero de intimar as meninas a “sair na mão”. Tudo porque queria assistir ao jogo no meio do grupo e ouviu um não. E não é não.

Alguns homens que presenciaram o episódio ficaram revoltados. Isso é bom. A indignação precisa ser coletiva, afinal essa não pode ser uma luta exclusiva das mulheres. Se todas e todos torcem igual, por que pedir que uma mulher escale o time de 88? Se todas e todos sofrem igual, por que pedir que uma mulher explique a regra do impedimento? Se todas e todos gritam igual, por que dizer que uma mulher tão bonita não pode xingar desse ou daquele jeito?

Em mais de duas décadas frequentando estádios, eu nunca fui questionado a respeito dos meus conhecimentos futebolísticos. Nunca precisei discorrer sobre a diferença entre um 4-4-2 e um 4-3-3. Você, que é homem e chegou até esse ponto do texto, já foi? Faça esse exercício de reflexão. E depois pergunte a uma mulher se ela já foi interpelada de tal forma. Além de ser uma atitude boba, porque não é necessário que qualquer pessoa, do sexo masculino ou feminino, seja expert no assunto para torcer por um time ou gostar de futebol, é um comportamento machista. 

Existe na Arena Fonte Nova um grupo de policiais treinado para atender o público feminino. Não é difícil identificá-lo. O nome “Ronda Maria da Penha” está estampado na traseira e na manga da farda. É excelente iniciativa que, como tudo, pode ser melhorada. Basta que se aumente o efetivo e o número de policiais mulheres para atender a essa demanda. Não tem cabimento que uma vítima de assédio no setor Oeste precise se deslocar até o Leste para fazer a denúncia.

O Bahia tem se notabilizado por defender causas minoritárias porque entende que o clube é de todos e de todas. Se assim é, a obrigação é abraçar e proteger a todos. Outros clubes têm adotado postura semelhante. Acolher seu público feminino e oferecer condições que permitam que elas se sintam respeitadas e protegidas não deveria ser exceção, e sim a regra.

Rafael Santana é repórter do globoesporte.com.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/el-camino-filme-de-breaking-bad-ja-esta-disponivel-na-netflix/
Produção acompanha o que aconteceu com Jesse Pinkman após o fim da série
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/roger-machado-e-contundente-sobre-racismo-precisamos-sair-da-fase-da-negacao/
Técnico do Bahia fala com firmeza de um problema pouco abordado no futebol brasileiro; assista
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/irma-dulce-nao-e-idolo-e-um-ideal-diz-padre-antonio-maria/
No Vaticano, ele cantou música que fez em homenagem à Santa Dulce dos Pobres
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/maior-dia-da-minha-vida-diz-musico-que-voltou-a-ver-apos-rezar-para-irma-dulce/
Ele participou de cerimônia da canonização e interagiu com o Papa Francisco
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apos-10-horas-de-vigilia-fieis-comemoram-canonizacao-de-dulce-no-largo-de-roma/
Primeira miraculada, Cláudia Araújo chegou ao Santuário na noite deste sábado (12)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/de-salvador-1a-miraculada-de-dulce-acompanha-canonizacao/
Cláudia Araújo está desde ontem às 18h em vigília no Santuário de Irmã Dulce
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/veja-tudo-o-que-aconteceu-na-canonizacao-de-irma-dulce/
CORREIO acompanhou do Vaticano e mostra bastidores da canonização na Itália e em Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/artistas-ensaiam-apresentacoes-para-canonizacao-de-irma-dulce-veja-video/
Margareth Menezes, Waldonys e José Maurício receberam as últimas orientações
Ler Mais