'Delírio' ciumento de mandante motivou morte de médico na Bahia, diz polícia

bahia
25.10.2021, 10:32:22
Atualizado: 25.10.2021, 16:23:15
(Foto: Reprodução)

'Delírio' ciumento de mandante motivou morte de médico na Bahia, diz polícia

Apontado como mandante, Diego Santos Silva está preso, mas preferiu não falar

Foi o ciúme de Diogo Santos Silva, conhecido como Diogo Cigano, que matou o pediatra Julio César de Queiroz Teixeira, 44 anos, em uma clínica na cidade de Barra, no oeste baiano. O mandante, que se apresentou à polícia no último dia 22, teria encomendado o crime após achar que o médico olhou para o decote de sua ex-esposa, segundo a versão dos presos. A polícia acredita que essa olhada não passou de um "delírio" do suspeito.

O crime aconteceu em 23 de setembro, enquanto Julio César atendia uma criança na clínica. A esposa da vítima, que é enfermeira, presenciou a morte do marido.

Leia mais: Morte encomendada: criminosos receberam R$ 4 mil para matar pediatra na Bahia

Leia também: Médico atendia criança no momento em que foi assassinado; Polícia analisa imagens

Em entrevista coletiva realizada na manhã desta segunda-feira (25), os delegados que investigam o caso contam que quatro das cinco pessoas presas pelo crime contaram essa versão do ciúme. O quinto envolvido, justamente Diogo, exerceu o direito de permanecer calado, não confessou o crime e não apresentou sua versão dos fatos.

As outras pessoas presas são o atirador que efetuou quatro disparos que vitimaram Julio, o mototáxi que levou o criminoso ao consultório e um casal que serviu como espécie de 'olheiro' dentro da clínica.

"Todos apresentam a mesma versão. Em um dia, Diogo acompanhou a ex-esposa e o filho em uma consulta com o pediatra. Lá, ele teve um delírio de que o médico estaria olhando para o peito da mulher. Por isso, ele teria falado com os outros suspeitos, que são amigos dele, para praticar o homicídio", conta o coordenador da 14ª Coorpin/Irecê, delegado Ernandes Reis Santos Júnior.

Cada um dos envolvidos na ação criminosa recebeu R$ 2 mil.

Os investigadores creem que esse suposto assédio tenha existido somente na cabeça de Cigano, que é conhecido na cidade por ser alguém perigoso, ciumento e extremamente possessivo.

"Todos em Barra têm medo de Diogo Cigano. O relacionamento dele com a ex-esposa é completamente tóxico. Ele já chegou a dizer que não deixaria ela se envolver com nenhum outro homem e costumava contratar capangas para espionar a mulher", diz o delegado Ernandes.

Investigadores também ouviram diversas mulheres que já se consultaram com Julio César e todas atestaram que a postura do médico sempre foi extremamente profissional e jamais houve algum caso de assédio envolvendo o pediatra.

Intermediário
Em Barra, Diogo Cigano é conhecido como aquele que é contratado para realizar algum "serviço sujo". Por conta disso, tanto os familiares do cigano quanto os parentes do médico acreditam que, na verdade, Diogo seria apenas um intermediário e não o verdadeiro mandante do assassinato.

"Todas as versões que chegam até a polícia são investigadas e eventualmente descartadas se não há indícios que a sustentem. Não podemos trabalhar com base em achismos e, até o momento, não há nada que embase essa teoria. O que temos são quatro depoimentos sustentando essa mesma versão. Diogo permaneceu em silêncio, não assumiu o crime e nem apresentou sua versão. Caso ele venha a falar alguma versão diferente, ela será devidamente investigada", disse a diretora do Departamento de Polícia do Interior, delegada Rogéria da Silva Araújo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas