Desafio em dobro: como a pandemia afetou a vida de crianças atípicas; leia especial

bahia
29.01.2022, 04:49:00
(Ilustrações: Suzane Lopes)

Desafio em dobro: como a pandemia afetou a vida de crianças atípicas; leia especial

Confira a série de reportagens Infâncias Atípicas nesta edição do Correio de Fim de Semana

Invisibilizadas em uma sociedade capacitista e com mães, professoras, terapeutas e cuidadoras que atuam quase sempre sozinhas em meio ao machismo estrutural, crianças atípicas atravessam a pandemia enfrentando uma série de desafios, como o fechamento das escolas e o afastamento de terapias essenciais ao desenvolvimento.

Com um atraso de um mês após a autorização pela Anvisa, o Brasil começou a vacinar meninas e meninos entre 5 e 11 anos, em um cenário de agravamento da pandemia com a variante ômicron e o início do ano letivo de 2022. De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 300 crianças nesta faixa etária morreram de coronavírus. O número supera 1.400 entre zero e 11 anos de idade. 

Quer saber mais? Confira o especial Infâncias Atípicas publicado neste sábado (28) no Correio de Fim de Semana. A reportagem é de Carla Bittencourt (@carlapb1) e Mariana Della Barba (@marianadb). 

Ilustração: Suzane Lopes

A pandemia e a diversidade
No momento em que o Brasil começa a vacinar crianças, mães da Bahia e de São Paulo falam sobre dois anos de pandemia com meninas e meninos atípicos e sobre como essa função ainda é solitariamente feminina. 

Diário materno
Em relatos poéticos e políticos na internet, a jornalista Maria Karina de Andrade fala sobre Antonia, filha autista e com doença rara. Clique aqui e leia a reportagem sobre a história de Antonia

Rainha do deboche
Performando antirracismo e anticapacitismo com muito sarcasmo, a ativista Gabriela Pereira apresenta Beny e fortelece debate sobre inclusão. Leia aqui a reportagem. 

Cotidiano premiado
Percurso escolar de Lara, criança com microcefalia, é premiado nacionalmente, e sua mãe, a educadora Catiane Vaz, conta como a filha viveu aprendizagens de forma remota. Conheça a história de Lara

Tudo novo
Com medo de que o filho, Guilherme, fosse preterido no sistema de saúde por ser Down, Joyce Renzi, diretora do Instituto Lagarta Vira Pupa, promoveu uma mudança radical na família. Leia a história de Guilherme. 

Os efeitos e como revertê-los
Especialistas avaliam o custo de escolas fechadas e da falta de terapias para crianças neurodiversas e apontam caminhos para revertê-los, ainda durante a pandemia. 

Entrevista
Autora do livro "Primeira Infância em Movimento", psicóloga Ivanna Castro mosrtra que, apesar das adversidades, são as próprias crianças que apontam transformações

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas