Descanso merecido

gabriel galo
21.09.2020, 05:00:00

Descanso merecido


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em meio a um calendário comprimido ao extremo, Bahia e Vitória encontraram uma brecha rara. Ao tricolor, dez dias de descanso; ao rubro-negro, doze dias de intervalo. Período de parada que se mostrava necessário dada a trajetória das equipes neste 2020.

A chegada de Mano Menezes ao Bahia não trouxe a injeção de ânimo que se esperava. A apatia do crepúsculo da era Roger Machado permaneceu. Pequenas melhorias foram notadas na organização tática, mas o brio gelado de um time que não leva o coração para dentro de campo fez com que a fase permanecesse ruim. Com isso, o clube mergulhou na zona do rebaixamento da Série A, flertando com a lanterna da competição. De momento, a expectativa de briga pela Libertadores está descartada. O objetivo do Bahia se tornou menos nobre.

Para além da questão dentro de campo, Mano também vai ter que blindar o elenco num ambiente de questionamentos severos à direção de futebol do tricolor. Em meio à crise de resultados, todos são cobrados, especialmente quando o clube trabalha tão bem sua imagem institucional. O nome mais forte deveria impulsionar placares dentro de campo, o contrário do que se vê.

Na Série B, devido à quantidade colossal de empates, a pontuação do G4 não é tão distante daquela do Vitória. As partidas contra Cruzeiro e Juventude deveriam acender luz vermelha. A covardia exagerada contra um adversário superdimensionado e outro recheado de reservas, além de um retrocesso tático notório, indicam que ainda há muito o que assimilar em termos de objetivo de trabalho. E enquanto alguns se satisfazem com desculpas e transferência de culpa, outros despertam para a condição rubro-negra e seu teto.

Trabalhará com afinco a dupla Ba-Vi para voltar em outras condições depois da pausa, disso não se duvida. A questão é de ordem mais pragmática: ambas estarão efetivamente diferentes?

A transformação nessa pausa não é apenas de ordem tática. Tem um passo que precisa ser revertido. Urge, para ambos, um choque de ânimo e de senso de urgência. E é nesse sentido que pausa oferece um descanso mais do que merecido a uma multidão que, confessadamente, não aguentava mais sofrer: o torcedor.

Assistir a Bahia e Vitória em campo doía na alma do apaixonado da arquibancada. Em campo, em vez de representantes de nações vibrantes, se arrastavam bandos desordenados e sem força, incapazes de buscar saída para a derrota que se aceitava no apito inicial do árbitro. Coisa de desistente que ‘aceita sua condição e seu lugar’ e que, descabido!, confunde vontade com violência e imprudência. Ora!

Onde foi parar a equipe que ninguém deveria vencer em vibração?

Onde se escondeu a equipe que deveria fazer seu grito ouvido pelos cantos do Brasil?

Neste próximo sábado, ambos tomarão os gramados novamente. Do lado de cá da tela, o torcedor vai acompanhar com fervor pronto para explodir em paixão, tanto para o bem, quanto para o mal.

Rever a alegria em campo significará sucesso na pausa, que o descanso era peça-chave para solidificar conceitos e reorganizar ideias. Já testemunhar o desfile merencório de antes, sem avanço significativo, será lembrança inegável de o quanto a pausa poderia ter durado mais tempo. Não para que se treinasse um pouco mais, mas para que o torcedor não se envergonhasse pela exibição com desdém daqueles que envergam o manto que define paixões.

Gabriel Galo é escritor

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas