Desintegração de meteoro liberou tanta energia quanto uma explosão nuclear

mundo
15.02.2013, 15:26:00

Desintegração de meteoro liberou tanta energia quanto uma explosão nuclear

Foram gerados centenas de quilotons de energia, superando até mesmo os resultados do teste nuclear realizado pela Coreia do Norte

Da Redação

De acordo com a revista Nature, dados registrados por aparelhos de infrassom detectaram que a desintegração do meteoro que atingiu a Rússia nesta sexta-feira (15) liberou tanta energia quanto uma explosão nuclear. Foram gerados centenas de quilotons, superando inclusive o teste nuclear realizado pela Coreia do Norte nesta terça-feira (12).

Cinegrafista russo captura momento em que meteorito entra na atmosfera
Cinegrafista russo captura momento em que meteorito entra na atmosfera

A astrônoma da Universidade de Western Ontario, Margaret Campbell-Brown, estudou os dados de infrassom de duas estações próximas à região do impacto e estimou que a massa do meteoro era de aproximadamente 40 toneladas. Em entrevista à Nature, ela afirma que este é o maior objeto a atingir a Terra desde que um meteoro atingiu a Sibéria em 1908. O Evento de Tunguska, como ficou conhecido, causou uma onda sísmica e iluminou o céu da Sibéria por vários dias.

De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, o meteoro de hoje atingiu a região dos Montes Urais, na Rússia, a uma velocidade hipersônica de 54 mil quilômetros por hora. A explosão aconteceu entre 30km e 50km da superfície da Terra.

“Às 9h20 (horário local, 1h20 em Brasília), um objeto em alta velocidade foi observado nos céus de Chelyabinsk, deixando um grande rastro atrás de si. No prazo de dois minutos houve dois estrondos”, afirmou Yuri Burenko, funcionário do setor de emergência, por meio de nota. “A onda de choque quebrou vidros em Chelyabinsk em uma série de cidades da região”, disse ele. Não há até o momento relatos de pessoas atingidas por fragmentos do meteorito.

Das 985 pessoas feridas, 43 precisaram ser hospitalizadas, disse Marina Moskvicheva, secretária de saúde de Chelyabinsk, a maior cidade da região a ser afetada, que fica a cerca de 1.500 quilômetros a leste de Moscou. Os sistemas de comunicação móvel ficaram temporariamente fora do ar.

O Ministério da Defesa da Rússia informou que enviou soldados para “locais de impacto”, sem fornecer mais detalhes. Mais de 3 mil imóveis sofreram algum tipo de dano. Escolas foram fechadas e apresentações de teatro canceladas na região após a onda de choque ter quebrado janelas. As temperaturas locais chegam a -18ºC.

Veja flagrou a queda do meteoro, assista:

###YOUTUBE###

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas