Desmontagem do Centro de Convenções provoca estrondo e assusta moradores

salvador
20.12.2017, 16:52:12
Atualizado: 20.12.2017, 20:00:17
(Caio Issa/CORREIO)

Desmontagem do Centro de Convenções provoca estrondo e assusta moradores

Barulho e a poeira chegou a ser confundido com um novo desabamento da estrutura 

Um forte barulho na tarde desta quarta-feira (20) assustou moradores do entorno do Centro de Convenções da Bahia (CCB), no Stiep. De acordo com o diretor geral da Defesa Civil do Salvador (Codesal), Sosthenes Macedo, os ruídos ouvidos por pessoas que passavam pela região são provenientes do processo de demolição parcial do equipamento turístico. O barulho e a poeira chegou a ser confundido com um novo desabamento da estrutura. 

Acompanhado da engenheira plantonista responsável pela vistoria do equipamento, Célia Morato, os dois foram nesta tarde ao local e explicaram que não se trata de um acidente, mas do processo de reestruturação. De acordo com o alvará emitido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (Sedur), a empresa Magalhães Júnior está autorizada a realizar a demolição parcial. 

"Foi um barulho enorme. Pensei que ia acontecer de novo um desabamento. A poeira tomou conta em instantes", contou a moradora da região, Paloma Dias. 

Outra moradora, Luciana Sá relatou que estava passando de carro no momento que ouviu o estrondo. "Tomei um susto. Me falaram que estava rolando isso, mas foi a primeira vez que ouvi. Parecia que estava caindo tudo outra vez".

O apontador de obras João Bosco, 50 anos, é morador da região e também estava passando pelo local. Ele disse que não ouviu nenhum barulho que chamasse sua atenção. "Hoje eu não ouvi nada, mas tem dias que faz um barulho danado, porque estão fazendo alguma obra aí dentro", citou.

O alvará de demolição parcial foi emitido pela Secretaria Municipal de Urbanismo no dia 29 de novembro de 2017 e tem validade de seis meses. Responsável pelo patrimônio do CCB, a Secretaria da Administração do Estado (Saeb) informou, em nota, que a desmontagem começou no dia 12 de dezembro e deve durar pelo menos 90 dias. 

"Desde o último dia 12, o equipamento está passando por um processo de desmontagem parcial, incluindo corte e esmagamento de peças estruturais de menor porte. Durante este processo, pode haver o deslocamento da estrutura, algo extremamente previsto e natural. Após esta etapa, serão utilizados guindastes e plataformas elevatórias para desmontar as peças metálicas de grande porte. O prazo previsto para a conclusão dos trabalhos de 90 dias a partir da data de seu reinício. A desmontagem parcial acontece com a autorização da Justiça", ressaltou a Saeb.

Desabamento
Em setembro deste ano completou 12 meses do desmoronamento parcial do CCB. O CORREIO teve acesso, com exclusividade, ao laudo pericial sobre o desabamento do equipamento. O documento indica a falta de manutenção como a causa da queda de parte da fachada, em setembro do ano passado. A pedido do CORREIO, o Ministério Público da Bahia (MP-BA) solicitou o laudo pericial ao Departamento de Polícia Técnica (DPT), em setembro. 

*Caio Issa é integrante da 12ª turma do programa Correio de Futuro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas