Dezesseis deputados estaduais trocaram de partido desde a eleição de 2014

satélite
05.11.2017, 02:00:00

Dezesseis deputados estaduais trocaram de partido desde a eleição de 2014

Jairo Costa Júnior, com Luan Santos

Cerca de 25% dos 63 deputados estaduais da Bahia trocaram de partido desde que foram eleitos, em 2014 – foram 16 casos nos últimos três anos. Com quatro mudanças, o recordista é o deputado Pastor Sargento Isidório, que hoje preside o Avante e foi eleito pelo PSC, passando também por Pros e PDT. Logo atrás, com duas transições cada, estão Manassés (eleito pelo PSB e com passagem por PSL e, agora, Pros), Jurandy Oliveira (PRP, PSL e Pros) e Alan Castro (Podemos, PSL e Pros). Os demais tiveram uma troca. O ex-presidente da Assembleia Marcelo Nilo (PSL) impulsionou boa parte das mudanças quando saiu do PDT. Além de Manassés, Jurandy e Alan, seguiram com ele Paulo Câmera (ex-PDT) e Reinaldo Braga (ex-PR). 

Substituições
 O PSB ganhou dois integrantes com Marquinhos Viana (ex-PV) e Ângelo Almeida (ex-PT). O Podemos perdeu Carlos Geilson (PSDB), mas trouxe Jânio Natal (ex-PRP), assim como o PSD, que viu Alan Sanches migrar para o DEM e tirou Alex da Piatã do PMDB. Soldado Prisco (ex-PSDB) e  Targino Machado (ex-DEM) reforçaram o PPS. David Rios (PMDB e ex-Pros) completa a lista. 

Troca-troca em Brasília
Entre os 39 deputados federais baianos, seis mudaram de sigla desde a eleição de 2014 - em torno de 15% do total. Quem mais trocou foi Marcos Medrado, eleito pelo Solidariedade (SD) e com passagem por PR e Podemos. Além dele, o SD também teve como baixa Arthur Maia (PPS).  O PSD perdeu José Carlos Araújo (PR), mas ganhou Antônio Brito (ex-PTB). Já os religiosos Erivelton Santana e Luciano Braga substituíram PSC por PEN e DEM por PRB, respectivamente.

Contra os clãs
Menos de um mês após decretar “tolerância zero” ao nepotismo, o Ministério Público estadual (MP) identificou 56 casos de familiares contratados por gestores públicos em apenas cinco municípios. Em Santo Amaro e Jaguarari, as ocorrências foram levadas à Justiça. Na primeira, o MP pede a demissão do secretário da Educação, Raimundo Jorge de Matos, e da controladora interna, Cláudia Matos, por serem casados. No segundo, solicita a saída de oito funcionários da gestão. O maior número de irregularidades vem de Barra, onde o MP recomendou a exoneração de 26 familiares de integrantes da administração. Em Buritirama e Jussara, foram dez casos encontrados em cada.

Pedido inusitado
Sem dinheiro para comprar alimentos para animais, a Secretaria do Meio Ambiente de Vitória da Conquista começou a pedir doações de frutas e verduras para abastecer o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas). A ideia é  que sejam implantados tonéis na Ceasa e no Centro de Abastecimento do município  para que feirantes e outras pessoas possam fazer as doações. 

Fim do ciclo
Ao anunciar oficialmente a candidatura a presidente do Bahia, o ainda secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Guilherme Bellintani, deu por fechado seu ciclo na gestão pública. “Eu já planejava voltar para a atividade privada”, afirmou. Bellintani deixa a prefeitura no início dessa semana após passagem por três secretarias.

"O modelo socialista- capitalista dos chineses parece contraditório, mas dá certo", Angelo Coronel, presidente da Assembleia, ao comentar o sistema ecômico da China, país que visitou

Caminho das pedras
Surpreendeu os sócios tricolores a informação de que Jaques Wagner não estaria apoiando Guilherme Bellintani à presidência do Bahia. O que se vê na prática é justamente o contrário: além do apoio do marqueteiro Sidônio Palmeira e do chefe de gabinete do governo, Cícero Monteiro, a chapa Simplesmente Bahia, de Bellintani, conta com Éden Valadares e Alex Lima. Valadares, assessor chefe da equipe de Wagner; Lima, deputado estadual, ligado ao ex-ministro. Em se tratando de Bahia, as turmas do PT e do DEM estão no mesmo caminho e em total acordo. Tanto que brincam com o número da candidatura do grupo: 31 é 13 visto no espelho.

Retorno  
O presidente estadual do PSD, Otto Alencar, negou ter assediado o secretário estadual da Educação, Walter Pinheiro, para ingressar na legenda com vistas à disputa por vaga na chapa majoritária. Otto disse que o partido tem quadros qualificados para a briga. 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas