Disputa de bens vale título de campeão feliz

paulo leandro
30.09.2020, 05:00:00

Disputa de bens vale título de campeão feliz


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quantos e quais os bens seriam necessários ou suficientes para o homem alcançar o bom destino da felicidade? Eis uma perguntinha malagueta, cujas respostas são tantas quantas possam distribuir fragmentos de alegrias – estas, sempre breves como a vida...

Tomemos o contexto do nosso amado e fútil ball. Qual o bem maior para o torcedor? Curtir seu time vencer. Não se afigura ao aficcionado a pandemia como uma medusa. E, se quiserem abrir estádios e arenas, lá estarão eles, como crianças, juntas e animadas.

E o dirigente, mais o apetece, segundo suas declarações, lutar pelo progresso de seu clube na classificação, ampliando as oportunidades de bons negócios para pagar ordenados a jogadores, ao professor, a equipes de apoio e aos servidores da agremiação.

A saúde é um bem? A proteção contra covid-19 e lesões em geral deveria contar muito, não só para quem adentra o campo, entregando-se de corpo, pois a ação multiplicadora do coronavírus tem efeitos infelizes para o indivíduo e aqueles com os quais convive.

Nota-se o esforço de segmentos vários, envolvidos na busca da felicidade: o torcedor, curtindo o time vencer; o dirigente, além de vitórias, os negócios, e com eles, a riqueza; e os jogadores, suando bicas para triunfar, e por tabela, faturar, sobreviver e virar ídolo.

A felicidade, como inclinação natural, acolhe grupos sociais de propostas antagônicas. Qual o bem de quem incentiva a volta dos torcedores? Promover a exclusão ou receitar remédios incertos seria um bem? A quem interessa ser feliz contando os óbitos?

Tornam-se infinitas as particularidades relacionadas aos bens com os quais lidam distintos times do cotidiano, acrescentando-se o dos árbitros, cuidando de apitar certo, além da imprensa especializada, com a venda de espaços publicitários.

As redes de tevê, e seus contratos com patrocinadores, teriam como bem a alegria de arrecadar valores acordados, além de fortalecer seus números de audiência com a oferta de jogos em horários os mais diversos em competições variadas.

Diante de tantos grupos, buscando bens distantes uns dos outros, quanto mais pensarmos, novas idealidades surgirão: impõe-se verificar qual o bem maior, ou mais justificável a figurar no topo, em possível hierarquia, aplicando-se a razoabilidade.

Cada grupo poderia apresentar argumentos em um hipotético campeonato de bens. Neste sentido, o perspectivismo é uma possibilidade de reflexão rápida, em papel jornal, sem arrogância de verdade.

Na nossa interpretação, e cada qual tenha a sua, o bem saúde nos parece capaz de atender às virtudes do conhecimento, da prudência, da justiça e da coragem; mas o ser virtuoso não garante a felicidade geral, ao contrário, pode até trazer mais inquietude.

Grupos de viés autoritário seriam resistentes, como pode-se interpretar da Confederação, pois seu bem seria zelar pelo estado corpóreo dos times e torcedores, tratando-se de desporto, em vez de seguir cegamente leis de mercado e o poder vigente.

Já ao Ministério Público e instâncias judiciais, caberia zelar pela sociedade, tomando por base a defesa da cidadania, em uma escolha difícil, quando não se sabe, de quantos bens particulares em jogo, qual o mais próximo do melhor destino.

Paulo Leandro é jornalista e professor Doutor em Cultura e Sociedade

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas