Diversidade é marca do Festival da Virada Salvador 2020; veja programação

salvador
14.12.2019, 06:00:00
Atualizado: 25.12.2019, 09:54:54
(Betto Jr./CORREIO)

Diversidade é marca do Festival da Virada Salvador 2020; veja programação

Prefeitura divulgou grade do evento nesta sexta

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Réveillon é a época de repensar o ano que está para acabar e fazer pedidos para o que vai começar. É esse sentimento de renovação e reflexão que a prefeitura de Salvador trouxe para o Festival Virada Salvador 2020. Com o mote de respeito à diversidade e mais tolerância, a festa propõe que a virada do ano seja também um momento de mudança na atitude das pessoas.

São cinco dias de festa, entre 28 de dezembro e 1º de janeiro, nos quais a Arena Daniela Mercury, na Boca do Rio, onde ocorre o festival, deve receber mais de 2 milhões de pessoas. Para o prefeito ACM Neto esta é a oportunidade de incentivar todos os brasileiros a começarem o ano acolhendo as diferenças.

“Quisemos aproveitar a virada de 2020 para trazer algumas mensagens que vão para além dos cinco dias de festa. Temos que aproveitar esse momento de mobilização da cidade para trazer algumas mensagens. A gente quer propagar mais tolerância, menos preconceito, novas atitudes e mais respeito à diversidade. Com essa mensagem, Salvador traz um exemplo para o Brasil”, afirma Neto.

O presidente da Empresa Salvador Turismo (Saltur), Isaac Edington, acredita que o festival vai divulgar a mensagem de respeito por meio da música.

“Somos uma cidade multicultural, multifacetada e tolerante. Vamos aproveitar para fazer do festival uma ferramenta para promover a igualdade e sem discriminação”, comenta o presidente da Saltur.

A diversidade reverbera na preocupação para montar uma grade de atrações capaz de agradar cada uma das pessoas que deve curtir o festival. O prefeito ressaltou que as 28 atrações foram pensadas para todo o público, desde os adolescentes até os idosos.

“Vamos transformar Salvador em um palco dessa questão que é tão forte do brasileiro que é a mistura de músicas, ritmos e sons”, conta o gestor municipal.

A cantora Iza vai dar a largada nas 70h de música da festa. Esta é a primeira vez que a artista do Rio de Janeiro se apresenta no festival. Diferente da carioca, a baiana Ivete Sangalo toma conta do palco para fazer a contagem regressiva da virada de ano pela quarta vez. Na apresentação desta edição do festival, Ivete vai contar com a participação especial dos Filhos de Gandhy.

Prefeito anunciou a grade do festival na manhã desta sexta no novo centro de convenções (Betto Jr./CORREIO)

Já o encerramento da festa fica a cargo do cantor Saulo, que será a última atração a subir no palco do festival. Os shows começam sempre às 18h. A grade do festival foi divulgada nesta sexta-feira (13), pelo prefeito ACM Neto no foyer do novo Centro de Convenções municipal, na Boca do Rio. (Confira a grade completa abaixo).

Além dos Filhos de Gandhy, outras duas bandas afro se apresentam no evento. São elas: Ilê Aiyê e Olodum. Para quem gosta de sertanejo, o festival conta com a apresentação da dupla Matheus e Kauan. Dentre os shows, ainda tem música eletrônica com Alok e Vintage Culture, Axé com Bell Marques e pagode com Igor Kannario.

O Festival da Virada Salvador 2020 ainda vai ter uma queima de fogos de 15 minutos e um show com 300 drones. Quem foi ao evento poderá ir na maior roda-gigante da América Latina, em uma tirolesa e repor as energias na vila gastronômica com cerca de 40 estandes.

28 de dezembro
Iza
Claudia Leitte
Vintage Culture
Bell Marques
Matheus & Kauan
Saia Rodada

29 de dezembro
Durval Lelys
Paralamas
Anitta
Luan
Simone e Simaria
La Fúria

30 de dezembro
Igor Kannario
Harmonia
Alok
Gusttavo Lima
Wesley Safadão
Psirico

31 de dezembro
Lincoln & Duas Medidas
Dennis DJ
Léo Santana
Ivete Sangalo participação Filhos de Gandhy (Virada)
Jorge & Mateus
Xand Avião

1º de janeiro
Ilê Aiyê
Daniela Mercury
Olodum
Saulo

Turismo e economia
Com a festa, a prefeitura estima que a capital receba 500 mil turistas durante uma semana no período da virada do ano. De acordo com o secretário municipal de Cultura e Turismo, Cláudio Tinoco, cerca de 60% dos turistas serão provenientes do interior. Já 30% devem vir de outros estados e 10% serão visitantes internacionais. A expectativa é de que 100% dos leitos dos hotéis Salvador sejam ocupados para o réveillon.

“As pessoas se deslocam, é uma período de recesso e muitas pessoas buscam viajar em família. Muitas pessoas vem para Salvador, inclusive muitos baianos do interior vêm passar a virada na capital”, comenta. Para o secretário, este é o momento de fidelizar o turista no verão e fazer com que a alta estação seja ainda melhor do que foi a do ano passado.

A grande movimentação de turistas e soteropolitanos devido à festa deve movimentar de R$ 407,2 milhões na economia da cidade. Ainda de acordo com Tinoco, o turista que vai passar o réveillon na capital deve gastar, em média, R$ 859 na cidade durante sete dias no período da virada.

“O evento traz uma movimentação econômica importante para cidade durante praticamente uma semana e é uma oportunidade de fidelizar esse turista”, disse o secretário.

Os números do festival fazem que o evento seja o segundo produto de maior atratividade em todo o calendário anual de eventos da cidade, atrás apenas do Carnaval. O prefeito ACM Neto ressalta que o Festival da Virada está quase nivelado com os festejos carnavalescos.

“No carnaval, a gente recebe, em média, 800 mil turistas. Levando em conta que são 10 dias de festa e o Festival da Virada, com cinco dias, recebe 500 mil turistas, os eventos estão quase equiparados”, pontua.

Moradores da região pretendem lucrar com o festival
Os cinco dias do Festival da Virada não são apenas de festa, para alguns, o evento é uma boa oportunidade de conseguir uma renda extra. Alguns dos moradores da região vão improvisar um restaurante na frente da casa enquanto outros alugam um espaço para quem quer ficar mais perto do festejo.

Na edição do ano passado do evento, o técnico de telecomunicações, Josinel Trindade, 31 anos, trabalhou como ambulante na festa. Neste ano, ele deseja montar alguma coisa em casa para lucrar com quem passa pela região do festival.

“Para mim é ótimo morar perto do festival. São várias oportunidades para ganhar um dinheiro extra. Estou vendo se vou vender comida ou bebida. Talvez um churrasquinho ou pirão. Vou ver o que sai mais barato”, conta.

Sheila Rodrigues quer montar um bar no ponto que possue perto da Arena Daniela Mercury (Marina Hortélio/CORREIO)

Vizinha de Josinel, Sheila Rodrigues, 42, já recebeu, pelo menos, sete ofertas para alugar o ponto para o período do festival. Ela relata que as pessoas querem usar a loja de móveis para ficar com a família durante a festa.

“Tá todo mundo querendo alugar, mas vamos curtir e trabalhar. Aqui fica com muita gente, parece o carnaval”, diz. 

Entretanto, Sheila tem outros plano para o local. Ela quer montar um barzinho para vender petiscos e bebidas para quem vai para a festa.

Outro que recebeu ofertas de aluguel para o período, mas ainda não fechou com um inquilino foi Osvaldo Sousa, 65. Para ele, o empecilho é que as pessoas querem colocar muita gente no imóvel que fica acima da casa dele sem pagar um preço justo. “Querem botar 10 pessoas e eu só quero alugar para cinco”, afirma.

Até agora, uma pessoa fez uma reserva, mas o dinheiro ainda não caiu na conta de Osvaldo. Mesmo se conseguir alugar o local, ele vai ficar na residência escutando os shows com a família.

Quem mora na região ainda faz aluguel de banheiro. Robervânia Souza, 36, e Anderson Santos, 40, vão cobrar R$ 5 para quem quiser tomar banho no ponto que eles possuem na Boca do Rio.

Além disso, os dois ainda planejam vender comida - desde o café da manhã até o jantar, montar um depósito de bebidas e um guarda volumes no local.

“O movimento é muito grande. Acredito que eu consiga lucrar R$ 3 mil com a venda de alimentos para quem vai para o festival”, calcula Anderson.

Ocupação dos hotéis deve chegar a 100%
Além dos shows, o Festival da Virada já começou a lotar os hotéis de Salvador. Em toda cidade, mais de 70% dos leitos estão ocupados, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado da Bahia (ABIH-BA).  Na orla e no bairro de Itapuã, a ocupação para o período da festa é ainda maior, atingindo 90%.

Ainda de acordo com a associação, as hospedarias situadas nos bairros da Barra, Ondina e Rio Vermelho têm, em média, 80% dos leitos reservados. Para completar a lista das áreas mais procuradas, nas regiões do Centro Histórico, Campo Grande e a Avenida Tancredo Neves a ocupação chega a 70%.

A estimativa é de que a festa tenha um público de dois milhões de pessoas nos cinco dias de evento. A prefeitura estima que cerca de 500 mil turistas devem vir passar o final do ano em Salvador e que a ocupação da rede hoteleira chegue a 100% com o Festival da Virada.

O presidente da Saltur, Isaac Edington, afirma que a ocupação é resultado do trabalho da prefeitura e das secretarias na infraestrutura e na promoção da cidade de Salvador.

“A ocupação é resultado de um conjunto de fatores, como o trabalho da secult de promover a cidade, da saltur com o calendário de eventos, o prefeito melhorando a infra-estrutura. A ocupação é um reconhecido. Tivemos recordes de número de leitos ocupados durante todo o ano e vamos superar os dados do ano passado”, diz Edington.

De acordo com dados obtidos pela Satélite junto ao Voopter e divulgada pelo CORREIO em 5 de dezembro, Salvador ultrapassou o Rio de Janeiro entre os destinos mais procurados do país para o período do Réveillon. A Voopter é uma das principais plataformas de busca e comparação de preços de passagens aéreas e meios de hospedagem do Brasil.

No levantamento deste ano, a capital baiana está à frente do Rio de Janeiro, Fortaleza, Florianópolis e Recife. No ranking passado, o líder era o Rio, seguido por Salvador, Fortaleza, Recife e Natal. Para chegar o resultado, a pesquisa considera viagens fechadas entre 26 de dezembro e 5 de janeiro e a busca por passagens de 5 de agosto a 15 de novembro para o fim do ano.

Para o secretário de turismo de Salvador, Claudio Tinoco, a preferência dos turistas pela capital baiana não é surpreende. “As pesquisas consolidam a capital como principal destino turístico do Brasil no verão para o turista de lazer, sol e praia. Sobretudo se associar ao calendário de eventos, com as festas populares e os eventos privados, como os ensaios de verão; Salvador se torna um grande destino. Por isso, os estudos não dariam outro resultado”, afirma.

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas