Doença falciforme: um mal que segue invisível para muitos baianos

podcast
24.07.2020, 06:00:00

Doença falciforme: um mal que segue invisível para muitos baianos


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Pelas estatísticas oficiais, a doença falciforme atinge um a cada 630 baianos. Em Salvador, a concentração é ainda maior: uma cada 455 pessoas possui a alteração genética que provoca uma deformação nas hemáceas. A doença é hereditária e precisa que os dois pais tenham o traço da doença.

Fale a verdade: você sabia que a doença falciforme pode matar subitamente o paciente? Há riscos de AVC, parada cardíaca, infartos em órgãos do corpo. Conhece bem as complicações e o tratamento mais adequado para esse mal? E o mais importante: sabia que já existe uma cura?

Nesse podcast, tiramos todas as dúvidas sobre a doença falciforme com o Dr. Fernando Costa, coordenador do núcleo de glóbulos vermelhos da Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH).

Para ouvir o podcast, use seu aplicativo preferido ou clique no player abaixo. Você também pode fazer o download:

Para ouvir no Deezer, clique aqui.
Para ouvir no Spotify, clique aqui.
Para ouvir no Apple Podcasts, clique aqui.
Para ouvir no Google Podcasts, clique aqui

MAS O QUE É PODCAST? É um programa de áudio igualzinho a um de rádio, mas que você pode ouvir quando, onde e como quiser - pulando, pausando ou adiantando os trechos, se preferir. Basta ter um aplicativo de músicas (como Spotify), um aplicativo para podcasts (do Google ou da Apple) ou simplesmente dar o play na janela acima.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas