Dois em cada dez consumidores estão endividados por conta do Natal

salvador
22.12.2018, 06:00:00
Comerciantes esperam crescimento de 3% em comparação com o ano passado (Foto: Arquivo CORREIO)

Dois em cada dez consumidores estão endividados por conta do Natal

Entre os entrevistados, 5% vão deixar de pagar alguma conta para comprar presentes

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A festa de Natal é linda, ganhar presente é ótimo, presentear é melhor ainda, mas é preciso ter calma nessa hora. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelou que dois em cada dez (19%) consumidores costumam gastar mais do que podem com as compras de Natal. O percentual é maior entre as mulheres (23%) e nas classes C, D e E (22%).

No ano passado o número foi ainda maior. Segundo o levantamento, 23% dos que compraram presentes em 2017 e vão presentear este ano ficaram negativados por causa das dívidas pendentes com as compras do fim do último ano, sendo que 15% permanecem com restrição no CPF e apenas 8% conseguiram limpar o nome. O valor médio das dívidas responsáveis pela negativação é de R$ 1.070,53.

A TV por assinatura é a primeira despesa que os consumidores deixam de pagar para comprar presentes de Natal. No total, 20% dos entrevistados que vão ter que postergar alguma conta disseram que será essa a sacrificada. Em seguida vem as despesas com cartão de crédito (16%), internet (16%) e água e luz (8%).

O número de brasileiros que vão deixar de pagar alguma conta para fazer compras de fim de ano foi de 5%, enquanto outros 5% devem protelar algumas despesas para realizar as comemorações de Natal e outros 5% para participar das festas de Ano Novo.

Na tarde desta sexta-feira (21) o vai e vem nos corredores de um shopping center de Salvador foi intenso. Alguns consumidores contaram que as crianças eram a prioridade da hora de comprar os presentes de Natal.

A aposentada Ivone Boaventura, 68 anos, carregava em sua sacola a caixa de uma loja de brinquedos. Ela contou que como o dinheiro está apertado somente a neta vai ganhar presente esse ano, e que o restante da família terá direito a apenas uma lembrança simbólica.

“Presente mesmo só pra minha neta, Sofia, porque ela é criança, e a prioridade é dela. Esse natal vai ser só de lembrancinha”, afirmou.

O Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado da Bahia (Sindilojas) espera crescimento de 3% nas vendas para a festa natalina deste ano, e os shoppings centers terão horário de funcionamento especial para aumentar o faturamento.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas