Donos de postos dizem que perderam R$ 610 milhões durante a greve 

bahia
04.06.2018, 19:11:22
Atualizado: 04.06.2018, 19:41:43
(Foto: Mauro Akiin Nassor/CORREIO)

Donos de postos dizem que perderam R$ 610 milhões durante a greve 

O valor tem como base preços e vendas médias durante nove dias 

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os donos de postos de combustíveis alegam que tiveram prejuízos de R$ 610 milhões durante os nove dias de greve dos caminhoneiros, entre 21 e 30 de maio. 

O Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energia Alternativa e Lojas de Conveniência do Estado da Bahia (Sindicombustíveis Bahia) estima o prejuízo com base nas vendas médias de gasolina, álcool e diesel e os preços médios dos combustíveis, divulgados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) de 21 a 30 de maio.

Durante os nove dias de greve, o abastecimento dos postos ficou prejudicado por causa do bloqueio das rodovias. Porém, na mesma época, os empresários venderam todo o estoque armazenado, já que as notícias de uma possível falta de combustível provocaram uma corrida desenfreada dos consumidores aos revendedores de gasolina, etanol e diesel.

Tributos 
Segundo o Sindicato, além dos alegados prejuízos com a venda de combustíveis no período da greve, as mudanças na legislação e a alta nos preços fizeram o setor pagar 57,8% a mais de tributos federais nos quatro primeiros meses do ano em relação ao mesmo período do ano passado, segundo informações da Receita Federal.  

De janeiro a abril, o setor de combustíveis pagou R$ 22,121 bilhões em tributos federais em valores corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), contra R$ 14,017 no mesmo período do ano passado.

“Os revendedores estão amargando prejuízos que têm colocado o negócio em risco. Alguns postos na Bahia já fecharam ou estão à beira da falência. Difícil sobreviver com uma carga tributária tão elevada”, comenta o presidente do Sindicombustíveis Bahia, Walter Tannus.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas