É mico assumir a relação, sozinha, nas redes sociais

flavia azevedo
12.06.2021, 18:00:00
Atualizado: 12.06.2021, 18:16:38

É mico assumir a relação, sozinha, nas redes sociais

Se ele não pode/quer se comprometer publicamente, por que você deveria?

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Amorzinho é bom e todo mundo gosta, então vamos, hoje, inspiradas pelo Dia dos namorados, pensar no necessário e básico conceito de reciprocidade. Observe um negócio: das coisas do mundo virtual, nem dancinha do tiktok é mais humilhante do que uma mulher que está "em um relacionamento sério" ou "casada" nos perfis das redes, porém não se sabe com quem. Chegue aqui, se for o seu caso.

(Se não for, venha, mesmo assim, fixar conteúdo de autoestima e respeito a você.)

A primeira vez em que eu vi isso foi uma conhecida que tinha "casada" no feice, mas o status não ligava ela a ninguém. Só que eu sabia quem era o suposto marido, pai do filho, coabitante da casa dela, e fui olhar o que ele dizia, lá no perfil dele. Batata: Solteiríssimo da Silva Santos, conforme esperado.

Depois disso, comecei a reparar nesse modo e costume do mundo hetero que chegou ao virtual. O ano é 2021, tem mais tipo de feminismo do que de milho transgênico, mas um monte de mulher ainda se sente mais valorizada ao anunciar, publicamente, que tem um homem do lado. Para lá eles, a preferência é parecer solteiro, mesmo que, na vida real, seja casado ou tenha um "relacionamento sério", o que quer que isso venha a significar. Ou seja, as mesmas peças gastas no antigo tabuleiro. Realmente, dá uma preguiça danada ver que ainda fazem sentido os bonequinhos de topo de bolo de casamento que representam noivas "conseguindo" casar.

Cada pessoa vive como quiser, principalmente em detalhes que não interferem na vida alheia nem no controle da pandemia que é o que mais importa, no momento. Então, você nem precisa me dizer que não é da minha conta o que está escrito no perfil das outras. Que é só eu não olhar. O certo é isso, mas, nesse caso, eu me contorço toda, não vou mentir, porque é um comportamento que mostra fragilidade coletiva e vulnerabilidade monumental.

Tenho "vergonha alheia", identificação histérica e esse seria um problema só meu se o comportamento não fosse evidente porta aberta para muitas das tantas violências que sofremos. É também por causa de "precisar" ter um macho do lado que seguimos aceitando qualquer porcaria que nos aborde. Ou seja, o desejo de estar "comprometida" permanece o mesmo do tempo da minha avó e trazendo os prejuízos que já estamos cansadas de saber, mas esquecemos quando é a nossa história "especial".

(Se a sua história é mesmo especial, ela não lhe traz qualquer desconforto ou constrangimento, saiba. Amor é pertencimento, aconchego e paz.)

Um negócio tão normalizado que nos cobram, inclusive. Veja esse caso: quando eu me divorciei, há séculos, já tinha tirado o "casada" uns dois anos antes, quando a relação, de fato, acabou. Na época, ocultei o status, apenas. Aí, depois, documentos assinados, fiquei feliz e acionei o "solteira" no perfil. Tava lá, comemorando, numa alegria danada, quando, então, fui alertada de que era "divorciada" que eu tinha que botar, que "divorciada" era melhor do que "solteira" e tal. Certamente, porque o "divorciada" significava que eu já tinha "sido capaz" de casar, o que já agregava um valor ao "produto (eu, no caso) anunciado".

(Ainda pensei, por alguns segundos, antes de cair na risada.)

Sente aqui, segure na minha mão e preste atenção: mesmo que ainda lhe deixe mais "segura", que lhe faça sentir "desejada", que assim se ache mais "respeitável", saiba que é mico, binha, assumir a relação, sozinha, nas redes sociais. Se for "casada", então, nem se fala. Não lhe faz bem. Vá por mim, não bote não. Se a preocupação é imagem, vou dizer qual é a que você projeta, nessa situação: "é tão desesperada e insegura que tá inventando macho pra dizer que tem ".

"Ah, mas ele existe, só não tem redes sociais". Ótimo, você pode postar fotos do casal, se quiser mostrar sua felicidade pra todo mundo. Então, apenas oculte seu status de relacionamento. Daí, é ver se ele vai criar o perfil dele e os dois se relacionam, um com o outro, também no mundo virtual. Se ele disser que não pode ou não quer expor a vida pessoal, respeito é bom e gostamos, mas se respeite também e não passe a vergonha de ter namorado/marido fantasma. Se ele não pode/quer se comprometer publicamente, por que você deveria? Reciprocidade, lembra? Vale muito a pena apostar. Por hoje é só, amiguinha. Disponha. De nada. E feliz dia dos namorados - e namoradas - reais.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas