'É um apelo que fazemos': Igreja Santo Antônio da Barra passa por dificuldades de manutenção

coronavírus
06.06.2020, 06:00:00
Desde março, igreja enfrenta dificuldades para manter estrutura e projeto social (Foto: Marina Silva)

'É um apelo que fazemos': Igreja Santo Antônio da Barra passa por dificuldades de manutenção

Adiamento de casamentos durante a pandemia impactou paróquias de Salvador

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Desde março, a Igreja de Santo Antônio da Barra, construída entre 1595 e 1600, no alto de uma colina, não consegue realizar a doação de cestas básicas, nem realizar reparos necessários no templo - como a troca de telhas. As igrejas - principalmente as mais tradicionais e que celebravam dezenas de casamentos por mês - têm enfrentado dificuldades pela necessidade de adiamento das cerimônias

Dois dos cinco funcionários da Igreja também tiveram contrato suspenso por dois meses. Os casamentos correspondiam a 60% da receita da igreja. Já foram de 16 a 20 cerimônias adiadas pela epidemia, calculou o padre Ivan Dias, de março ao fim do ano.

Pelo menos 100 cestas básicas eram distribuídas pela Igreja a famílias. O máximo que conseguiram, nos últimos dois meses, foram 30.

"É um apelo que estamos fazendo para ter o mínimo de ajuda. Como se diz, esse é o mar que temos para nadar e esperamos. Estamos tentando ver as possibilidades dentro dessa nova realidade”, contou o pároco. 

O custo de um casamento naquela igreja é de R$ 3,5 mil. O padre afirmou que é possível ajudar os projetos sociais da Igreja e disponibilizou o contato (71) 3013-3117.

Quando atendeu à ligação, Marília Gabriela Dias, juíza da Irmandade do Santíssimo Sacramento e Senhora da Igreja de Conceição da Praia, que administra o templo, havia acabado de sair de uma reunião. 

“Estamos conseguindo pagar todo mundo, mas estamos todos preocupados, porque o casamento é nossa principal fonte de renda”, disse. 

Cada cerimônia na Igreja da Conceição da Praia, no Comércio, custava R$ 8 mil e correspondia, até a epidemia, a 30% da receita - o resto vinha das esmolas nas missas, dízimos e o que era vendido nas lojinhas. “A gente abaixou o preço para R$ 6 mil e facilitou o pagamento [dos que adiaram]”, continuou a administradora.

A Conceição da Praia decidiu diminuir cobrança e flexibilizar pagamento (Foto: Divulgação/Tatiane Azeviche)

A Conceição da Praia é, junto à Catedral Basílica, uma das mais caras e tradicionais para realização de casamentos. O padre da Catedral não pôde falar com o CORREIO, devido a outras obrigações administrativas e religiosas. Não há dados oficiais de quais são as igrejas católicas favoritas dos noivos. 

No Santuário Nossa Senhora da Conceição Aparecida, no Imbuí,  o padre Clériston Mendes iniciou um diálogo com os noivos. Todos os finais de semana, a igreja recebe casamentos. O preço de R$ 600 é um atrativo. "Os casais estão remarcando e, como nossos gastos são bastante alto, montamos estratégias para cortar outros gastos", contou. 

Não há números oficiais sobre quais são as igrejas prediletas dos noivos, pois as igrejas fecham os casamentos por conta própria. A Arquidiocese de Salvador tem incentivado campanhas de doações para os templos e instituições tradicionalmente apoiadas por igrejas católicas.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas