Edital do VLT do Subúrbio será lançado até o final deste mês

salvador
10.01.2018, 22:11:19
Atualizado: 10.01.2018, 22:43:02
(Imagem: Divulgação/Sedur)

Edital do VLT do Subúrbio será lançado até o final deste mês

Publicação do documento foi suspensa duas vezes pela Justiça em 2017

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O edital de licitação das obras do VLT, que ligará o Comércio até Paripe, será lançando ainda neste mês de janeiro, trazendo a obrigação, por parte dos licitantes, da apresentação de projetos para extensão do modal, que garanta a integração física com o metrô. A conexão deve ser feita através de uma ligação do Comércio até a Estação da Lapa. O modal substituirá o Sistema de Trens no Subúrbio de Salvador. 

O trecho a ser licitado terá aproximadamente 19 km de extensão, seguindo do Comércio até Avenida São Luiz, em Paripe, com capacidade de transportar cerca de 90 mil pessoas por dia. Todo o trajeto será percorrido em 40 minutos. As obras, que serão iniciadas no segundo semestre de 2018, devem ser concluídas em 24 meses. O investimento necessário é estimado em R$ 1,5 bilhão. Atualmente, os trens do Subúrbio percorrem uma distância 13,6 km, contam com 10 estações e ligam os bairros de Paripe a Calçada.

Divulgação/ Sedur
Modal terá 19 km e vai do Comércio até Paripe (Foto: Divulgação/Sedur)

Atraso
Não é a primeira vez que o edital de licitação do VLT é lançado pelo Governo do Estado. Ele foi suspenso pela Justiça duas vezes em 2017, em junho e em agosto. 

O modal está atrasado em pelo menos dois anos. O primeiro projeto foi enviado para captação de recurso no Ministério das Cidades em 2011 e o edital de licitação chegou a ser anunciado para 14 de agosto de 2015. O certame foi adiado diversas vezes. A primeira foi por ajustes técnicos nos projetos solicitados pela Prefeitura e a segunda, prevista para 2016, foi devido à mudança no regime de financiamento da obra.

A intervenção de R$1,5 bilhão seria custeada com recursos do governo federal, por meio do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC). O envio da verba acabou sendo suspenso pela esfera federal e a modalidade de contratação foi alterada para Parceria Público Privada.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas