Edmundo diz que pagou quase R$ 10 mi de pensão ao filho que vende geleias

em alta
13.07.2020, 22:59:00
(Reprodução/Instagram)

Edmundo diz que pagou quase R$ 10 mi de pensão ao filho que vende geleias

Sem ver o pai há 9 anos, Alexandre Mortágua vende geleia para pagar contas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O ex-futebolista e comentarista do canal Fox Sports Edmundo conversou com o Uol sobre sua relação com o filho, Alexandre Mortágua, que revelou estar vendendo geleias para complementar a renda neste período de pandemia. Ele é cineasta independente e fez uma postagem no Instagram sobre a dificuldade de encontrar trabalhos.

Fruto do relacionamento do ex-jogador com a modelo Cristina Mortágua, Edmundo e Alexandre não se encontram há mais de nove anos.

"O Alexandre não me responde quando mando feliz natal, quando mando feliz dia das crianças, quando mando feliz aniversário. Mas acho importante saber que eu paguei por 24 anos uma pensão no valor de 30 salários mínimos ou seja R$ 31.350 reais por mês com décimos terceiro salário", disse Edmundo.

Edmundo disse ao Uol que pagou cerca de R$ 407.550 por ano de pensão, o que ao longo dos 24 anos totaliza cerca de R$ 10 milhões.

"Lembrando que ele tem 25 anos, ou seja, o ano passado eu ainda pagava a pensão. Sempre mando mensagem, mas nessa história, tudo de ruim fica para mim. Ele se aproveita, mas estou com minha consciência limpa".

Alexandre disse inicialmente que preferia não comentar sobre o que pai disse. Após ler a declaração de Edmundo no ar, ele se manifestou e lamentou.

"Ele fala como se tivesse pagado de muita boa vontade. 'Ele se aproveita'. Se aproveita de que, meu senhor? Meu pai sempre deixou muito claro que nossa relação era apenas uma formalidade dele com a Justiça para ele evitar que fosse preso. Muito triste mesmo ele ter na ponta do lápis (um cálculo bem mal feito, por sinal) o valor que tem o filho mais velho dele", falou.

Alexandre falou ainda que o pai lhe garantiu assistência financeira durante o período decidido pela Justiça, "mas sempre por medo e covardia, nunca porque me amou ou se preocupou comigo".

"Edmundo é meu pai por mera formalidade biológica. Nunca inventei nada sobre a nossa relação, como assim 'se aproveita'? Me aproveito de quê? Eu não vou aceitar migalhas de afeto porque um homem crescido se sente mal de ter abandonado o primogênito dele".

 

Sem contato e sem mágoasEm entrevista ao Luciana by Night no ano passado, Alexandre contou que não via o pai desde que tinha 16 anos.

"Um juiz tinha decidido que a gente tinha que fazer sessões com uma terapeuta, para a gente se aproximar. E o acordo era que seriam 10 sessões e ele entraria nas oito últimas. Foi meu último esforço. Nesse dia, ele me deu uma carona".

Apesar de não ter contato, Alexandre disse não guardar mágoas do pai. "Quando você lembra de uma pessoa que você gosta, você pensa na sua mãe, por exemplo, vem um cheiro, uma frase engraçada, uma comida gostosa. Dele não me vem nada", disse ele, atribuindo às sessões de terapia que faz desde os três anos ao fato de não guardar mágoa. "Não sinto nada de ruim [por ele], de verdade."

Em 2013, Edmundo falou à revista "Sexy" sobre seu filho ter revelado que era gay. "Não vejo nenhum problema na orientação sexual dele. Acho dever de pai zelar pelo comportamento dele perante a sociedade. Se vai a uma reunião de negócios, vá vestido de forma apresentável".

Além de Alexandre, ele é pai de mais três filhos: Ana Carolina, Edmundo Júnior e Catarina. Na ocasião, Edmundo admitiu que o primogênito era quem tinha menos contato. "Mas gosto igual, admiro igual. Não participei da criação, da educação, mas é um moleque nota dez".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas