Educação em tempos de emergência

artigo
14.09.2020, 20:57:35

Educação em tempos de emergência


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Salvador é o primeiro dos 22 campi do Instituto Federal da Bahia (IFBA) a retomar as aulas após cinco meses. O retorno remoto não é uma convicção. O IFBA tem experiência no ensino presencial, mas compreendemos que o contexto impensável da pandemia nos obriga a um movimento.

Foram 13 audiências públicas, escuta do Conselho Superior e centenas de sugestões da comunidade em formulários online. Construímos coletivamente este momento para garantir o mínimo de conforto e regras documentadas que podem ser ajustadas conforme a necessidade.

Mas isso não é suficiente e, eu diria, não é sequer o principal. Precisamos garantir a permanência e o aprendizado dos estudantes, construir pontes diante do aprofundamento das desigualdades trazido pela pandemia. Como outras instituições públicas, o IFBA aguarda recursos do Ministério da Educação (MEC) para a compra de tablets e internet para viabilizar a inclusão digital de boa parte dos 76% de estudantes oriundos de famílias vulneráveis socialmente, cuja renda per capita é abaixo de 1,5 salário mínimo.

Sem cair em um negacionismo digital, também não podemos crer ingenuamente no solucionismo tecnológico. A cidadania do estudante se constrói na vida no campus, na formalidade da sala de aula e, especialmente, na experiência extracurricular, que vai do acesso a bens concretos como alimentação, atendimento de saúde e psicopedagógico até a participação em coletivos identitários, atividades culturais, esportivas etc. A experiência remota tem possibilidades, mas contém impossibilidades. Há quem viva com uma família numerosa em uma casa pequena, sem silêncio para o estudo. Há quem perdeu emprego e há quem está enlutado pela covid-19. Condições domésticas adversas reforçam a exclusão.

Portanto, este não é um ensino à distância, mas sim um ensino remoto emergencial. O intuito é controlar a evasão escolar e aproximar estudante e instituição. Se o ensino é emergencial, o trabalho docente e administrativo também. É preciso adaptar rotinas, conteúdos e escolher o que é prioritário ensinar.

A pandemia traz legados para a gestão. O primeiro é a vivência de um espaço virtual de debates dentro de uma instituição multicampi como o IFBA. Agora, resolvemos demandas, debatemos ou compartilhamos a produção acadêmica à distância. Além disso, compreendemos da forma mais difícil que precisamos ter planos para situações que fogem à regra: catástrofes naturais, conflitos. No futuro, temos que pensar o que integraremos à normalidade e o que não aceitaremos integrar.

Gerir crises requer respeito aos ritos democráticos e estratégia crítica para garantir a segurança de servidores e servidoras e a permanência de estudantes. Nunca foi tão importante estarmos todos juntos, ainda que virtualmente.

Luzia Mota é reitora do Ifba, licenciada em Física e doutora em Difusão do Conhecimento

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas